Patriota, de Jorcelino Braga, está quase conquistando o passe de Bolsonaro

O presidente disse que está “namorando alguns partidos, dentre eles, um tal de Patriota”. Ele quer ter “autoridade” na legenda

Jair Bolsonaro e Adilson Barroso, do Patriota: aliados | Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro está com um pé no Patriota, partido presidido em Goiás pelo empresário e ex-secretário da Fazenda Jorcelino Braga. O outro pé permanece atrás — aguardando as conversas com outros partidos, como o Progressistas do senador Ciro Nogueira e o Republicanos do deputado federal Marcos Pereira.

Se Bolsonaro se filiar, o Patriota tende a se tornar um dos partidos mais fortes no Brasil e em Goiás. Além de contar com Jorcelino Braga, um articulador político de rara habilidade, que entende de marketing como poucos, o partido deve atrair o ex-prefeito de Trindade Jânio Darrot (de saída, em março, do PSDB), o deputado federal Major Vitor Hugo e pelo menos três ou quatro deputados estaduais. Um dele é Paulo Trabalho, do PSL. Alguns prefeitos também se filiarão.

Major Vitor Hugo: o deputado federal deve ser o “puxador” de voto do Patriota em Goiás | Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Na sexta-feira, 12, Bolsonaro se reuniu em Brasília com a cúpula do Patriota — o vice-presidente nacional, Junior Marreca, o coordenador do Conselho Político, Niltinho Silva, os deputados Pastor Eurico, de Pernambuco, e Evandro Roman, do Paraná, e a presidente do Mulher Patriota, Cátia Presa. O presidente nacional do Patriota, Adilson Barroso, garante que não participou do encontro, mas, estranhamente, foi visto no Palácio do Planalto. E não era um fantasma.

Jorcelino Braga, presidente regional do Patriota | Foto: Reprodução

Adilson Barroso frisa que a filiação de Bolsonaro ao Patriota será, se acontecer, uma bênção. O presidente do partido sublinha que a filiação do político que poderá transformar o partido num novo PSL, quer dizer, num gigante, será em março. Em 2018, para disputar a Presidência da República, Bolsonaro quase se filiou ao Patriota. “Agora, se der certo, não tem essa de namoro mais não. Tem que ir direto para o cartório. Já conhece, então tem de casar logo de papel passado”, afirma um dos “sócios” do partido.

Bolsonaro pode ser a “cola” para unir o Patriota. Adilson Barroso, apesar de presidente, controla tão-somente 30% do partido, segundo registro do jornal “O Globo”. Ovasco Rezende, como “acionista” majoritário, é “dono” de 50%. Os deputados federais controlam 20%. O presidente terá qual percentagem? É o busílis da questão.

Jânio Darrot: o ex-prefeito de Trindade deve ser um dos nomes fortes do Patriota em Goiás a partir de março de 2022 | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Entrevistado pela TV Band, na segunda-feira, 8, Bolsonaro informou que definirá o partido ao qual irá se filiar em março — o tempo limite para a filiação. O presidente sublinhou que está “namorando alguns partidos, dentre eles, um tal de Patriota”. E acrescentou que se vai se filiar desde que tenha “autoridade” no partido. Noutras palavras, por ser presidente, Bolsonaro não quer ser mais um soldado. Quer mandar — como capitão. E planeja que seus aliados nos Estados também tenham poder de mando.

Ovasco Rezende sabe que, se Bolsonaro se filiar ao Patriota, será o mandachuva. Mesmo assim, não quer entregar o poder ao chefão do Palácio do Planalto. “Trabalhamos com construção e com o tempo, que vai alinhavando uma relação. Não existe possibilidade nenhuma de qualquer liderança vir para tomar o comando do partido. Isso é fora de qualquer mesa de conversa. Ou se confia no partido para o qual você vem ou não. Somos um partido sério”, afirma.

Romário Policarpo: um dos principais líderes do Patriota em Goiás | Foto: Divulgação

Pode até ser sério, mas quem resiste ao poder da caneta do presidente da República? Portanto, se Ovasco Rezende estiver realmente falando sério, Bolsonaro vai disputar pelo Patriota e, logo depois, sairá do partido, como fez com o PSL de Luciano Bivar e do Delegado Waldir Soares.

Em termos de Goiás, o presidente Bolsonaro tende a apoiar a reeleição do governador Ronaldo Caiado. Portanto, o Patriota, se tiver ele como candidato a presidente, vai compor com o líder do partido Democratas. O mais provável é que o Patriota, tendo Bolsonaro na linha de frente, banque Ronaldo Caiado e priorize o lançamento de candidatos a deputado federal. Jorcelino Braga, Romário Policarpo, Jânio Darrot e Major Vitor Hugo (hoje no PSL, mas possivelmente de saída, em março) são os principais nomes para a disputa de vagas na Câmara dos Deputados. Jorcelino Braga não aprecia disputas, e prefere agir nos bastidores, mas pode ser convencido a ser candidato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.