Partido de Bolsonaro e o Podemos de Zé Nelto só terão espaço no segundo escalão do governo Caiado

Tratados como “patinhos feios”, o PSL do Delegado Waldir Soares e o Podemos devem ocupar cargos que nada decidem

Delegado Waldir Soares e José Nelto: o PSL e o Podemos não teriam técnicos qualificados para a Educação e a Saúde

Políticos de vários partidos que apoiaram Ronaldo Caiado para governador estão “revoltados”. Porque, apesar de decisivos para a campanha, se tornaram descartáveis no governo. A ira ficou no armário por algum tempo, mas, a caminho de terminar o segundo mês de gestão, decidiram reagir. “Quem não chora não mama”, afirma um integrante do Podemos. O PSL, do deputado Delegado Waldir Soares, assim com o Podemos, serviu para a campanha, mas não para o governo.

O presidente do Podemos, o deputado federal José Nelto, é radical: “O Podemos não indicou nenhum de seus integrantes para o governo de Ronaldo Caiado. Portanto, assim como o governo de Caiado não representa o Podemos, o Podemos não representa o governo de Caiado”. O líder do Podemos na Câmara dos Deputados acrescenta que a escolha de integrantes do partido não significa que fomos nós, da direção, que indicamos. “Na verdade, os nomeados são da cota pessoal do governador. Insistimos: estamos fora do governo”. O parlamentar frisa que sua insatisfação não significa, ao menos no momento, que está rompendo com Caiado. “Vamos aguardar. Mas não se pode abandonar os companheiros de jornada.”

José Nelto sublinha que a dissidência do MDB pode até fingir que está satisfeita com o governo de Caiado. “Mas não está. Veja que um dos principais aliados de Caiado, Adib Elias, não conseguiu indicar o presidente da Agetop, atual Goinfra, e nenhum aliado para o primeiro escalão. Os prefeitos de Rio Verde, Paulo do Vale, e de Goianésia, Renato de Castro, também não indicaram ninguém para o primeiro escalão”. Um deputado estadual relata que Adib Elias esteve na Secretaria da Economia, para falar com a secretária Cristiane Schmidt, e quase não foi recebido. Não por falta de “importância”, e sim porque a economista não sabia de quem se tratava. Adib Elias foi a figura crucial para levar parte do MDB para a campanha de Ronaldo Caiado.

Um aliado de Ronaldo Caiado, falando em seu próprio nome, contesta José Nelto: “Governo é assim mesmo. Nem sempre gente que serve para as campanhas eleitorais são úteis para governar. A tendência é que os partidos façam suas indicações para o segundo escalão, para o qual as exigências técnicas são menores. Cristiane Schmidt, além de competente, tem portas abertas no Ministério da Economia, o que facilita o acesso e as negociações com o ministro Paulo Guedes. Quem do PSL e do Podemos poderia fazer o mesmo? Nem Lívio Luciano, que é do Podemos e é competente, faria o que ela está fazendo.”

O PSL, embora seja o partido do presidente Jair Bolsonaro, tem sido solenemente ignorado. Um deputado governista diz que o PSL não tem técnicos qualificados para a Educação, para a Saúde e para a Economia. “O partido tem duas figuras qualificadas para a Segurança Pública, Delegado Waldir Soares e o major Vitor Hugo, e é só. Portanto, se conquistar cargos no segundo escalão, está tudo bem”, frisa o parlamentar. “Na verdade, o PSL de Waldir quer cargos no segundo escalão, como a Ceasa.”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Luis Felipe

Estes partidos e representantes que estão fora do governo estão colhendo oque plantaram, deixará m seus companheiros e seus partidos de origem para empreitar né uma aventura e hoje estão colhendo oq plantaram! Se todo secretário da fazenda tiver que ter no curriculum amizade com o ministro Guedes daqui a pouco os outros estados ficaram com a vela e o pires na mão. Pq esta atitude é só do estado de Goiás e o Presidente não está vendo a atual administração com bons olhos, estão mostrando despreparo e falta de competência até o tesouro nacional não vê possibilidade de ajudar… Leia mais