Onyx Lorenzoni está prestes a se tornar ex-ministro de Bolsonaro

A fritura começou e o ministro-chefe da Casa Civil, se for hábil, escapa da frigideira antes de ser queimado

Em Brasília, o que se comenta é que o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx, está prestes a trocar o sobrenome Lorenzoni por Forenzoni. O presidente Jair Messias Bolsonaro teria decidido fritá-lo em fogo brando, não com o objetivo de mantê-lo mais tempo no governo, e sim para forçá-lo a sair por conta própria. Com o desconfiômetro desligado, mesmo depois de perder funções para figuras mais íntimas do homem de caneta, Onyx Lorenzoni permanece na equipe, como se fosse um peixe fora d’água.

Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni: o presidente e o quase ex-ministro?| Foto: reprodução

O vereador Carlos Bolsonaro, segundo as línguas de Matilde de Brasília, não aprecia Onyx Lorenzoni. Porque, exatamente, não se sabe. O que se comenta é que, como ministro da Casa Civil, o político gaúcho não articula politicamente com habilidade. A turma do Congresso Nacional não o culpa diretamente, sugerindo que o problema é mais Bolsonaro, o Jair Messias, do que seu ministro… com pasta mas sem poder. Não é o ministro que não atende deputados e senadores… é o presidente.

Gabriel Mascarenhas, um dos repórteres da coluna de Lauro Jardim, em “O Globo” (domingo, 30), na nota “Alcolumbre sugere que Onyx deixe o governo antes de ser ‘fritado’”, postula que o ministro está de saída. A porta está aberta. Como não quer sair, estão empurrando-o.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, “aconselhou Onyx Lorenzoni a entregar o cargo de chefe da Casa Civil”, afirma “O Globo”. “Davi tem certeza de que, se insistir em permanecer no governo, o aliado tem tudo para atravessar um processo de fritura  e acabar descartado por Jair Bolsonaro, como ocorreu com Gustavo Bebianno e o general Santos Cruz. Aliás, Carlos Bolsonaro é tudo, menos fã de Onyx, assim como não era dos dois ministros demitidos”, enfatiza o jornal.

A coluna aponta que nomes de prováveis substitutos de “Forenzoni” estão sendo discutidos no Palácio do Planalto.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.