A OAB do Distrito Federal cobra a demissão do ministro da AGU, José Eduardo Cardozo

A Ordem afirma que a AGU não é um órgão de representação política do governo, e sim um órgão de defesa do Estado

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

José Eduardo Cardozo: defendendo não o Estado | Foto: José Cruz/ Agência Brasil

A OAB do Distrito Federal vai pedir que a Comissão de Ética Pública da Presidência da República advirta o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e encaminhe seu pedido de demissão. Tudo levar a crer que se trata de uma missão impossível — dado o fato de que Cardoso é um dos queridinhos de presidente Dilma Rousseff.

O comportamento de José Eduardo Cardoso, na defensa intransigente que fez da presidente e do ex-presidente Lula da Silva, não deveria ter o respaldo da AGU. A OAB avalia que a AGU não é um órgão de representação política do governo, e sim um órgão de defesa do Estado. O ministro estaria usando a AGU para fins políticos.

“Com efeito, o Advogado-Geral da União, José Eduardo Martins Cardozo, assume uma defesa verborrágica e claramente política da presidente da República, seus correligionários e interesses meramente políticos de autoridades e aspirantes à autoridade”, critica a OAB-DF.

A OAB do DF frisa: “Sua Excelência repete palavras de ordem construídas no seio das atuações político-partidárias, participa de reuniões de defesa política de autoridades e aspirantes a autoridades e literalmente esquece que a instituição que lidera tem responsabilidades de atuar institucionalmente em defesa de atos de poderes constituídos que podem carregar conteúdos visceralmente opostos aos efusivamente declarados e festejados pelo Advogado-Geral da União”.

A Ordem sugere que, como advogado-geral, José Eduardo Cardozo não tem dado a devida atenção à AGU.

Deixe um comentário