Morre o arquiteto e compositor Otávio Daher

Parceiro de João Caetano, Otávio Daher estava doente. Era um homem culto, inteligente, dono de um humor refinado

Otávio Daher: um criador artístico de inteligência aguçada | Foto: Facebook

O arquiteto e compositor ou compositor e arquiteto Otávio Daher, o Tavin, ou Tavinho, morreu na quinta-feira, 2, aos 73 anos. Parceiro do cantor e compositor João Caetano, Otávio Daher era uma força da natureza — sempre crítico, inteligentemente divertido. Ninguém, literalmente, ficava indiferente àquilo que o jornalista e escritor Iúri Rincon Godinho chama de “suas tiradas” (pensamentos transformados em frases precisas). Gostava de falar de Faina, pequena cidade de Goiás transformada numa espécie de Ítaca metafórica. “O Faina”, como dizia, era uma espécie de paraíso. O que era uma brincadeira de Otávio se tornou uma brincadeira de todos. Porque, com sua percepção aguda, Otávio, um arquiteto das palavras, persuadia os amigos e os não tão amigos a seguirem seu jogo, a acompanhar sua sofisticação fina e não pernóstica. Goiás perde um talento que nos deixa, como um brinde estético, sua arte, tecida ao lado do cantor e compositor João Caetano.

Anna Paula Teixeira Daher

Amigos queridos,

Viemos aqui comunicar o falecimento de Otávio Daher, mas a notícia já se espalhou, em um testemunho do que temos visto a toda hora, de que ele era uma pessoa muito querida. Nesses tantos dias de vigília, a família e os amigos foram incansáveis no apoio e nas orações, que nós agradecemos enormemente e de coração.

Nesses tempos de distanciamento, a fim de preservar a nós e a vocês todos, vamos enterrá-lo em família.

Sempre haverá tempo de celebrar a vida tão maravilhosa que ele viveu, e são essas memórias felizes e tão ricas que vão nos acompanhar até que possamos nos encontrar novamente junto ao Pai.

Talvez as melhores palavras pra falar dele sejam as que ele mesmo escreveu, e é com elas que nos despedimos e agradecemos, mais uma vez, tanto amor que temos recebido. — Magali, Anna Paula, Luisa, Thiago, Teteto, Ricardo e Silvia.

Otávio Daher com a família | Foto: Facebook

Um rio
João Caetano/Otávio Daher

Minhas águas vão lavar

Outras terras outras mãos

E vou matar a sede do seu gado

E vou correr em frente até chegar

E vou passar em muitas plantações

E se chover vou transbordar

Quanto tempo eu percorri

Outras terras outras mãos

E fui atrás do mar, do oceano

Que me espera o tempo que eu quiser

Pra desovar os peixes que eu tiver

Pra me estreitar

Pra desaguar

Ah, eu adoro o mar

Ah, eu abraço o mar

Ele que sabe me esperar

E deixa eu descansar assim

Ah, eu adoro o mar

Ah, eu adoço mar

Ele que sabe me abraçar

E deixar eu descansar enfim…

Domingos Valdomiro Caetano Palavras de João Caetano comunicando à todos nós Familiares a morte do Tavinho!

Amigos queridos!

João Caetano, cantor e compositor 

Com muito pesar comunico o falecimento do parceiro da vida toda, irmão de muita poesia e companheiro de todas as horas .

Tavin Daher, minha eterna gratidão. Deus o receba com muito Amor.

Nilson Jaime, escritor, crítico literário e doutor em Agronomia

A Academia Palmeirense de Letras, Artes, Música e Ciências se solidariza com a família pelo passamento do poeta Tavinho Daher.

Senador Jorge Kajuru

“O Otavinho faz parte de minha história. Estou muito triste, desolado mesmo. Perdi mais uma perna. Antes, havia perdido o amigo Benjamin Beze Júnior, meu suplente. Repito: estou triste, muito triste”.

Iúri Rincon Godinho, jornalista e escritor

Minha homenagem a Otávio Daher vai em forma do texto que ele me mandou em fevereiro desse ano, para um livro que estou escrevendo sobre seu parceiro de vida João Caetano, mas também sobre Fernando Perillo, Marcelo Barra, Rinaldo Barra e José Eduardo Morais. Tavinho era um grande letrista, de uma família ligada às artes. Já estou com saudade dele me atentando com sua fixação por Faina, uma piada interna de seus amigos que agora perdeu a graça.

Carlos Brandão, jornalista e compositor

Recebi uma notícia que posso classificar como a notícia mais vagabunda e doída desses últimos tempos: a morte do melhor letrista dessa terra, o genial Otávio Daher. Cara, esse sim era um mestre. Penso que nós, que temos essa mesma função na arte, trabalhar com as palavras, dando vocabulário às melodias dos nossos parceiros melodistas, temos que reconhecer: esse foi o cara. O dono das frases geniais. Ninguém errou, Tavin. A vida é que se enganou. Obrigado por me ensinar a ser um letrista melhor. Grato mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.