Morre Dinuamérico Silvino, que foi suplente do ex-senador Lázaro Barbosa

Ele foi candidato a prefeito de Porangatu e era considerado um empresário arrojado

O empresário Dinuamérico Silvino de Oliveira Neto, de 75 anos, morreu na terça-feira, 7, em Brasília. Ele estava internado. Ele tinha câncer no pâncreas, e havia se submetido a uma cirurgia há pouco. O velório está sendo realizado no Iate Clube e o enterro será no cemitério de Porangatu, às 18 horas.

O ex-deputado Francisco Bento, o Chiquinho da Gráfica, afirma que, além de político arrojado, Dinuamérico Silvino deve ser visto como “um empreendedor brilhante”. “Ele foi fazendeiro, produtor rural. Construiu e dirigiu um hotel. Foi revendedor de veículos Chevrolet, com a empresa Médio Norte, e edificou o Iate Clube. Na política, foi candidato a prefeito de Porangatu, mas perdeu para o engenheiro Jarbas Macedo. Ele foi suplente do ex-senador Lázaro Barbosa (PMDB). A Rádio Tropical, fundada por ele, continua funcionando na cidade. Prova de sua capacidade de empreender, nas proximidades da rádio, ele fez uma praça com seus próprios recursos. Poucos homens foram tão arrojados. Pode-se dizer que contribuiu para a modernização de Porangatu”, afirma Chiquinho da Gráfica.

Luiz Menegazzo, que foi candidato a prefeito de Porangatu, diz que Dinuamérico Silvino “foi um dos maiores empreendedores dos últimos 40 anos da região Norte de Goiás. Na sua fazenda de Bonópolis, introduziu novas tecnologias. Tanto que vários produtores aprenderam com ele a usar trator de esteira e trator de pneus. Era um homem dinâmico, inquieto e criativo. Mantinha ótimo relacionamento político na cidade e no Estado. Perdemos um grande homem, a história lhe fará justiça.”

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mario Alberto Chaise de camargo

Meu grande amigo, Dino!
Com saudades lembro do amigo, grande líder e empreendedor, que descansem paz.
Mario Camargo (Tchê)