Ministro de Temer teria autorizado Incra a pagar indenização de R$ 469 milhões a fazendeiro de Goiás

Do procurador do Incra Junior Divino Fideles: “Não me sinto confortável em aprovar um negócio de tal magnitude, pois não há parecer meu no processo”. Diretor avalia que o preço é quatro vezes acima do de mercado

Eliseu Padilha: ministro estaria envolvido num negócio de quase meio bilhão de reais

Eliseu Padilha: ministro estaria envolvido num negócio de quase meio bilhão de reais

A reportagem “A difícil travessia para o futuro”, de Daniel Pereira e Hugo Marques, da revista “Veja” (edição de 30 de novembro), conta sobre ações de Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil, envolvendo o Incra e a compra de uma fazenda em Goiás por quase meio bilhão de reais.

O relato da revista: “As complicações nem se resumem à Lava-Jato. O próprio ministro Eliseu Padilha anda às voltas com as suspeitas de ter autorizado o pagamento de fabulosos 469 milhões para a desapropriação de uma fazenda no interior de Goiás, a Estreito da Ponte de Pedra, com 4.900 hectares, onde estão assentadas 114 famílias. Por esse preço, era melhor dar 4 milhões de reais a cada família.”

Revolta no Incra e valor acima do de mercado

Junior Divino Fideles, procurador do Incra, diz que não deu parecer favorável à negociação de quase meio bilhão de reais

Junior Divino Fideles, procurador do Incra, diz que não deu parecer favorável à negociação de quase meio bilhão de reais

Continua o relato da “Veja”: “Quando os diretores do Incra, órgão responsável por questões agrárias, souberam da indenização, houve revolta. O procurador do Incra, Junior Divino Fideles, disse: ‘Não me sinto confortável em aprovar um negócio de tal magnitude, pois não há parecer meu no processo’. Outro diretor lembrou que avaliações técnicas exigidas pela lei nem sequer haviam sido feitas. Outro ainda avaliou que o preço é quatro vezes acima do de mercado. ‘Isso a Casa Civil vai resolver’, respondeu o presidente do Incra, Leonardo Góes Silva. Ou seja: o caso foi parar na Casa Civil, sob as asas de Padilha, tal como queriam que ocorresse no caso do prédio de Geddel [Vieira]”.

Versão de Padilha e confirmação de Jovair Arantes

Jovair Arantes, deputado federal: "Ele [Eliseu Padilha] fez. E, de fato, é o que tem de fazer mesmo"

Jovair Arantes (na foto, com o presidente Michel Temer), deputado federal: “Ele [Eliseu Padilha] fez. E, de fato, é o que tem de fazer mesmo”

A revista apresenta a versão de Padilha: “Procurado por ‘Veja’, Padilha afirmou que nem sequer pediu que o caso fosse analisado, no que foi prontamente desmentido pelo deputado Jovair Arantes [do PTB de Goiás], que intermediou toda a conversa entre os interessados: ‘Ele fez. E, de fato, é o que tem de fazer mesmo’”.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Lita Carneiro

Quero parar de criticar censurar políticos, mas não consigo. Eles mesmos me dão ñ motivos; assim fica difícil. O INCRA precisa esclarecer se foi realmente realizada essa transação bastante rendosa e quem autorizou.