O ex-prefeito de Aparecida de Goiânia Gustavo Mendanha, que deverá trocar o Patriota pelo MDB, é um fenômeno político. Ele foi derrotado na eleição para governador, em 2022, mas saiu com seu capital político-eleitoral ampliado e, também, intocado.

Pesquisas mostram que, se pudesse disputar a Prefeitura de Goiânia, Gustavo Mendanha teria chance de vencer — e até com facilidade. Ele aparece à frente dos experimentados Vanderlan Cardoso, do PSD, e Adriana Accorsi, do PT.

Como possivelmente não poderá disputar, Gustavo Mendanha será, ao lado do governador Ronaldo Caiado, do União Brasil, e do vice-governador Daniel Vilela, uma espécie de “general” eleitoral em Goiânia e, claro, em Aparecida de Goiânia. Quem quiser ser eleito nas duas cidades deve estabelecer diálogo com o jovem político.

Qual é o espaço de Gustavo Mendanha no futuro da política de Goiás? Dado seu capital eleitoral, é provável que seu nome vai figurar na chapa majoritária governista em 2026 — ao lado de Daniel Vilela e Gracinha Caiado (que vai disputar uma vaga no Senado).

Hábil na articulação, Gustavo Mendanha está muito próximo tanto de Daniel Vilela quanto de Ronaldo Caiado.

Aparecida de Goiânia

Seguindo seu mestre Maguito Vilela, Gustavo Mendanha criou programas para modernizar a cidade de Aparecida e a gestão pública. Cidade-inteligente, por exemplo, é um avanço — tanto que agrada dirigentes de grandes empresas que se instalaram e pretendem se instalar no município. E beneficia a todos os moradores da cidade.

O prefeito Vilmar Mariano — assim como o deputado Veter Martins — tem de entender que a ideia de cidade-inteligente veio para ficar, e não é uma ideia puramente de Gustavo Mendanha. É universal.

Pré-candidato à reeleição, Vilmar Mariano precisa entender, na prática, que Aparecida não pode recuar. Não pode quebrar a relação com o futuro que foi estabelecida no presente. (E.F.B.)