Marconi joga em 2016 para fortalecer sua base para a disputa de 2018. Quer enfraquecer a oposição

O governador Marconi Perillo tende a apostar tanto em Waldir Soares quanto em Giuseppe Vecci; seu objetivo é enfraquecer a aliança Iris Rezende-Ronaldo Caiado. É um jogo estratégico

O governador Marconi Perillo tende a apostar tanto em Waldir Soares quanto em Giuseppe Vecci; seu objetivo é enfraquecer a aliança Iris Rezende-Ronaldo Caiado. É um jogo estratégico

Os incautos de praxe sugerem que o governador Marconi Perillo se afastará do processo político de 2016 — abrindo espaço para outros articuladores, como o vice-governador José Eliton. Que a participação deste cresceu nos últimos tempos, tanto nas articulações administrativas — o que sugere que está sendo preparado para assumir o governo em abril de 2018 — quanto nas políticas, parece óbvio até ao observador pouco interessado. Mas poucos políticos são tão perceptivos — uma percepção temperada por pesquisas e análises rigorosas do confronto das forças em campo — quanto o tucano-chefe.

Na verdade, Marconi Perillo sabe, desde há muito tempo, que os eleitores não querem o governador fazendo política o tempo todo. Quer vê-lo administrando o Estado. Por isso, com rara habilidade, o governador articula mais nos bastidores. E é incansável na articulação, na formatação de alianças políticas e agregação de novos valores (técnicos e políticos). Como tem uma visão estratégica, e não meramente tática, da política, está trabalhando, com o apoio de uma equipe pequena mas eficiente, para que a base governista tente eleger ao menos 200 prefeitos. O objetivo, lógico, não é melhorar estatísticas.

As razões principais são duas, e até óbvias. Primeiro, ampliar a estrutura política, pois a aliança tucano-pepista-petebista-pessedista, depois de 20 anos de poder, em 2018, terá dificuldade para eleger o próximo governador. Uma estrutura ampla, com fortes ramificações em todo o Estado, tem mais chance de derrotar uma candidatura sem apoios sólidos — inclusive financeiros — na maioria das cidades. Segundo, ganhar mais prefeituras, especialmente nas médias e grandes cidades, significa reduzir a estrutura política e financeira das oposições. O PMDB, se perder Goiânia e Anápolis (cidade administrada pelo semialiado PT), terá muita dificuldade de enfrentar uma situação cada vez mais encorpada.

Dito isto, é possível concluir que um político inteligente, como Marconi Perillo, estuda o processo político e joga com pelos menos duas hipóteses em Goiânia: com Giuseppe Vecci e, também, Waldir Soares. O que conseguir derrotar Iris Rezende ganha a simpatia e o aplauso do tucano-chefe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.