Jardel Sebba recupera fundo de previdência quebrado pelo PMDB

Investimentos saltam 150% em 3 anos e meio. Tucano assumiu com previdência do servidor municipal quebrada por esquema conhecido como escândalo das “pastinhas”

Ronaldo Ribeiro, superintende do IPASC: “Estamos gerindo a verba com aplicações seguras e evitando gastos desnecessários. Contamos com a parceria da Prefeitura, para que não tenhamos despesas além do que realmente precisamos ou podemos. Vamos encerrar o mandato sem novas dívidas”

Ronaldo Ribeiro, superintendente do IPASC: “Estamos gerindo a verba com aplicações seguras e evitando gastos desnecessários. Contamos com a parceria da prefeitura, para que não tenhamos despesas além do que realmente precisamos ou podemos. Vamos encerrar o mandato sem novas dívidas”

Nos últimos três anos e meio, o Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores de Catalão (Ipasc) registrou um salto de R$ 43,5 milhões em seu patrimônio líquido, o que representa um crescimento de quase 150% em relação a janeiro de 2013 (R$ 29 milhões). Até o final de agosto deste ano, o Instituto passou a ter R$ 72,6 milhões aplicados em bancos públicos, com solidez comprovada, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal.

Até julho de 2016 (data do último balanço), o instituto estava com 329 aposentados, e uma folha de pagamento de R$ 824.500,98; e 137 pensionistas, que resultam em R$ 180.463,57. A partir de 2015, a Prefeitura de Catalão incorporou as gratificações dos servidores públicos à aposentadoria, uma conquista para os aposentados e mais um motivo de orgulho para a atual gestão.

O superintendente do Ipasc, Ronaldo Ribeiro, destaca que a reviravolta do instituto se deve ao trabalho responsável de toda a equipe. “Estamos gerindo a verba com aplicações seguras e evitando gastos desnecessários. Contamos com a parceria da prefeitura, para que não tenhamos despesas além do que realmente precisamos ou podemos. Vamos encerrar o mandato sem novas dívidas”, ressalta Ronaldo.

Pró-Saúde

O Ipasc e o Pró-Saúde são duas autarquias municipais distintas, possuindo personalidades jurídicas próprias. O Pró-Saúde é um programa que cuida da saúde dos servidores do município e seus dependentes. Não pode ser chamado de plano de saúde por não ser regido pela ANS [Agência Nacional de Saúde Suplementar]. Para melhor entendimento, a nível de Estado, o Ipasc seria o GoiasPrev e o Pró-Saúde seria o Ipasgo. Todos os funcionários efetivos do município recebem seus proventos de aposentadoria pelo Ipasc, bem como todos os pensionistas.

Nos meses de outubro a dezembro de 2012 não houve atendimento do Pró-Saúde, devido à falta de pagamento por parte do Município. A Prefeitura estava em débito com o programa em mais de R$ 900 mil, considerando pessoas físicas, jurídicas, hospitais e despesas em geral. No entanto, os gestores do novo mandato (2013/2016) conseguiram regularizar a situação.  Até fevereiro de 2013, tudo estava pago, e os atendimentos voltaram a ser realizados normalmente. Atualmente, o Pró-Saúde conta com 4.200 segurados, considerando titulares e dependentes.

Os servidores efetivos ou comissionados podem escolher se querem ou não aderir ao Pró-Saúde. Caso optem pelo programa, são cobrados 5% de seu vencimento, já incluindo dependentes. O programa de saúde dos funcionários públicos municipais oferece consultas em todas as especialidades médicas; exames (com possível ressarcimento em casos de procedimentos fora da cidade); internações; cirurgias; e tratamento odontológico. Até um determinado limite, em geral, não existe coparticipação.

De acordo com o superintendente, que também administra o Pró-Saúde, ao fazer um balanço desses três anos e meio de gestão, “estou bastante satisfeito em ver que conseguimos reconquistar a confiança dos credenciados e recuperar a credibilidade da instituição perante toda a comunidade. Tivemos o cuidado de quitar as dívidas que vieram da gestão passada, e estamos pagando tudo em dia. Estou certo de que atendemos a todos os segurados com excelência. Isso são frutos de uma administração séria e honesta”, destaca Ronaldo.

Má gestão e fundos podres

Em janeiro de 2013, a atual administração municipal havia herdado da gestão passada uma dívida calculada em mais de R$ 8 milhões. Um dos débitos começou a ser pago em maio de 2009, sendo parcelado em 240 meses. No mês de julho deste ano (2016), Jardel Sebba (PSDB) pagou a parcela nº 87. Essa dívida só será quitada no ano de 2029; herança da gestão 2005/2008.

Também em julho, a Prefeitura de Catalão pagou a parcela nº 40 (de 60 meses), de uma dívida referente ao não pagamento das contribuições dos anos de 2006 a 2008. Os gestores da época gastaram além do necessário, faltando com responsabilidade e respeito ao Município como um todo.

Agravando a situação, nos dias 17, 19 e 20 de dezembro de 2012, Cristiano Lefevre (superintendente do Ipasc no mandato do prefeito Velomar Rios (PMDB)) fez uma aplicação de quase R$ 12 milhões em “fundos podres”, que desde aquela data estão presos em investimentos que lesaram e lesam os cofres públicos municipais até hoje.

Atualmente, esse valor está em pouco mais de R$ 9 milhões, mas a administração atual está impossibilitada de retirar qualquer quantia desses fundos, por tempo indeterminado. Segundo Ronaldo Ribeiro, “a tendência é que essa verba diminua ainda mais, pois o investimento foi feito para que o dinheiro rendesse nas mãos das pessoas envolvidas na operação e não a favor do funcionalismo público”, explica.

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Maria Antonieta Silva Oliveira

viva jardel

Maria Antonieta Silva Oliveira

sempre procura fazer coisas para a população

Camila Carvalho Ribeiro

Vai ser Jardel de novo

Camila Carvalho Ribeiro

tem sempre meu apoio Jardel !