Foto: Fernando Leite/Jornal Opção
Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O ex-deputado Samuel Belchior não queria continuar como presidente do PMDB de Goiás. Agora, autorizou um grupo a dizer que pode disputar a reeleição, em outubro, com o apoio do Iris Rezende.

Enquanto Belchior não se define, três postulantes percorrem o interior de Goiás em busca de apoio. José Nelto, com o apoio da bancada estadual e da ex-deputada Iris Araújo e de sua filha, Ana Paula, trabalha para obter o apoio de Iris Rezende e Maguito Vilela. O deputado Daniel Vilela, que não tem o apoio de Iris, tem prestígio no partido, dado o fato de ser filho do prefeito de Aparecida de Go­iânia, Maguito. Nailton Oliveira é o mais discreto, mas está trabalhando com afinco.

Nailton circula pelo interior tendo como escudeiros Dori Mocó e Pablo Rezende. Prefeitos costumam chamá-los de “os três mosqueteiros”.

Um aliado de José Nelto sugere que, se vetá-lo, Iris Rezende estará vetando a bancada estadual do partido, que é leal ao peemedebista-chefe.
Se tentar emplacar Samuel Belchior, ou Nailton Oliveira, Iris poderá encontrar pela frente uma aliança entre José Nelto e Daniel Vilela.

Há quem diga que, na hora agá, Iris pode bancar seu aliado Agenor Mariano para comandar o PMDB regional. Ao Jornal Opção, Agenor Mariano disse que está cuidando mais da eleição do diretório metropolitano do PMDB (o de Goiânia), cujo presidente deverá ser Bruno Peixoto.
Dois peemedebistas disseram ao Jornal Opção que Iris quer no comando do partido um peemedebista maleável, quer dizer, que obedeça às suas ordens sem questioná-las.