A presidente da República e a candidata a senadora ficaram em terceiro lugar no município em que o petista é a principal força eleitoral 

Não há a menor dúvida de que Antônio Gomide, candidato derrotado a governador de Goiás, é o rei de Anápolis. Mas rei só pra si. Porém há outro fato significativo: o ex-prefeito petista não consegue transferir votos para outros candidatos, inclusive do próprio PT, e não conseguiu eleger nenhum deputado estadual. Sua candidata, Dinamélia Rabelo, teve uma votação bisonha.

Não deixa de ser sintomático que a presidente Dilma Rousseff, do PT, obteve apenas 23,93% dos votos de Anápolis, ou seja, 47.114. Aécio Neves, do PSDB, recebeu 47,88% — 94.259 votos. O tucano conquistou o dobro de votos da petista. Para piorar, Marina Silva, do PSB, também teve mais votos do que Dilma — 24,94%, isto é, 49.090 votos.

Para senador, a candidata de Gomide, a petista Marina Sant’Anna, ficou em terceiro lugar, com 22,48% dos votos. Ronaldo Caiado recebeu 37,25% (60.391 votos) e Vilmar Rocha obteve 36,06% (58.456). A surpresa foi Vilmar, praticamente empatado com o deputado federal do DEM.

Para governador, Gomide recebeu uma votação excepcional, 56,41% — 110.700. Mas não deixa de ser surpreendente que 43,59% disseram não ao candidato petista.

O grupo de Iris Rezende sempre acusou Gomide de ter cruzado os braços na eleição de 2010, quando o peemedebista-chefe foi derrotado pelo governador Marconi Perillo, do PSDB. Agora, Gomide tem uma tarefa inglória: transferir votos para Iris Rezende. Não será fácil. Anápolis e Iris não se amam.