Experts sugerem que Caiado viceja na era do caos mas pode cair de maneira incontornável

Pesquisadores, marqueteiro e cientista político apostam que Daniel Vilela e José Eliton vão crescer retirando votos do senador

Ronaldo Caiado, José Eliton, Daniel Vilela e Humberto Evangelista

O Jornal Opção pediu a um cientista político, a dois pesquisadores e a um marqueteiro que examinassem números de algumas pesquisas sobre a sucessão em Goiás. A seguir — com a ressalva de que todos sublinharam que, no momento, pesquisas de intenção de voto “dizem quase nada” — se lerá uma síntese de suas interpretações.

O cientista político afirma que, ao contrário do que comumente se pensa, o senador Ronaldo Caiado (DEM) é o pré-candidato a governador de Goiás que tem de se preocupar com seus números, próximos dos 40% das intenções de voto. “A tendência é que, com a exposição dos demais candidatos, caia.” Um dos pesquisadores corrobora: “Só quatro políticos são conhecidos por 90% dos eleitores: o governador Marconi Perillo (PSDB), o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), o senador Ronaldo Caiado e o ex-governador Maguito Vilela (PMDB). Os demais não chegam a 40%. Os pré-candidatos a governador pelo PMDB, deputado federal Daniel Vilela, e pelo PSDB, o vice-governador José Eliton, não são conhecidos nem por 50% dos eleitores. Então, as pesquisas feitas neste momento não apuram ‘popularidade real’, e sim ‘conhecimento’ e ‘desconhecimento’. A tendência é que o peemedebista e o tucano cres­çam ao longo da campanha e que, a partir de agosto, Caiado comece a cair. Do ponto de vista do marketing e do comportamento dos eleitores, uma queda pode virar onda e se tornar incontornável. A situação do presidente do De­mocratas pode se complicar. A tendência é que Daniel e Eliton cresçam retirando votos do senador”.

O segundo pesquisador afirma que, se Ronaldo Caiado tem entre 35% e 40% das intenções de voto, o dado relevante é que 65% ou 60% não querem que seja o governador de Goiás. “Como é muito cedo, e os demais candidatos devem crescer, porque contam com estruturas mais relevantes, a tendência é que Caiado estabilize com a metade das intenções de voto que tem hoje. Não será surpresa se, a partir de agosto de 2018, despencar para 20% a 25%. Quando se tornarem mais conhecidos, Daniel Vilela e José Eliton subirão para 20% e 25%, com a tendência de que um deles deslanche e, até, passe de 30%.”

O marqueteiro afirma que os eleitores entendem que “ninguém é ‘dono’ do ‘discurso da ética’ e, no fundo, ‘desconfiam’ de todos os políticos, sobretudo daqueles que fazem os discursos mais moralistas. Eu diria que Caiado está bem hoje não exatamente por suas qualidades pessoais, que sem dúvida existem, e sim porque as pessoas estão contra tudo e todos. Caiado e Jair Bolsonaro, pré-candidato a presidente da República, só crescem num cenário de caos. Com menos caos, por exemplo se a economia se estabilizar, a tendência é que percam densidade eleitoral. O mais provável é que o clima de terra-arrasada arrefeça a partir de 2018”.

Quanto ao policial federal Hum­berto Evangelista, pré-candidato do PMN, os entrevistados dizem que é uma incógnita. “Não dá para avaliá-lo, por enquanto”, concluem.

Deixe um comentário

Kkkkkkk… Por acaso esses Experts são goianos? Acredito que estão lendo nossa realidade pela ótica do DESEJO do governador e não dá população.
A meta dos goianos é CAIADO governador e qualquer senador(a) que não a INEXPRESSIVA Lúcia Vânia no congresso Nacional.

wpDiscuz