A eleição deste ano inventou o candidato-mendigo. Ele chega no eleitor e, no lugar de oferecer alguma coisa, pergunta, humilde: “Como e com que você pode me ajudar?” Faltou dinheiro para a campanha de candidatos a vereador, os maiores abandonados. Os candidatos amedrontados e mal informados deram o tom: “Como faço para pegar dinheiro e justificá-lo?”

Os fornecedores da campanha exigiram notas precisas, com informações detalhadas. Ninguém quer, adiante, ser convocado pela Justiça para se justificar”. Outra característica da eleição foi o uso intensivo, mas não funcional, das redes sociais. Os candidatos perderam tempo nas redes sociais, às vezes discutindo com eleitores que votam noutros candidatos, ou nem votam.