Disputa pelo comando do PMDB põe em jogo quem será candidato a governador em 2018

Daniel Vilela e Ronaldo Caiado: eleição para o diretório começa a escolher qual candidato será apoiado pelo PMDB em 2018

Daniel Vilela e Ronaldo Caiado: eleição para o diretório começa a escolher qual candidato será apoiado pelo PMDB em 2018

O PMDB elege seu próximo Diretório Estadual no sábado, 24. A impressão que se tem, lendo os jornais, é que se trata de uma mera disputa, envolvendo o deputado federal Daniel Vilela, o deputado José Nelto e o ex-prefeito Nailton Oliveira, para, escolhido os integrantes do Diretório, definir a executiva e, daí, o político que vai assumir a presidência do partido. Isto é a árvore, mas é preciso ver algo mais na obscuridade da floresta.

Não está em jogo apenas a disputa pelo comando do Diretório e os políticos que querem controlá-lo sabem disso. Há uma guerra, por vezes sutil, entre dois grupos que, embora rivais, eventualmente se unem para disputas eleitorais. De um lado, está Iris Rezende, que até pode ser eleito prefeito de Goiânia, mas é um político em franca decadência, no sentido de que, se tem um presente, não tem futuro. Em 2016, quando deve postular mandato na capital, terá 83 anos. De outro lado, está Maguito Vilela, de 66 anos.

Ao contrário de Iris, Maguito é um líder relutante, que fez opção preferencial pela conciliação. Há momentos em que parece que vai confrontar o peemedebista-chefe, mas, de repente, recua, postando-se num confortável segundo plano. Isto faz com que não se torne o líder que todos esperam para substituir Iris.

Entretanto, depois de relutar tanto, de ceder às pressões, Maguito agora terá de enfrentar Iris. Porque sabe que, se não o fizer, e desde já, o veterano político continuará dando as cartas, inclusive em 2018.

O projeto que está em jogo, quando se disputar o comando do PMDB, é o do governo do Estado, em 2018. O grupo que eleger o presidente agora possivelmente conseguirá bancar o candidato a governador daqui a três anos.

Se fizer o presidente do partido — está jogando com dois nomes, Nailton, seu preferido, e Nelto — e se for eleito prefeito de Goiânia, Iris terá grande chance de bancar o próximo candidato a governador.

Para 2018, Iris quer apostar num candidato que seja visceralmente antimarconista — daí sua aproximação com Ronaldo Caiado, não importando se é filiado a outro partido, o DEM, e não ao PMDB. Mas precisa ter poder para bancá-lo.

Daniel pretende disputar o governo já em 2018, tentando repetir o fenômeno Marconi Perillo de 1998. Se conseguir se tornar presidente do PMDB, derrotando os candidatos de Iris, terá dado meio passo para ser o postulante do partido.

Com o apoio de um deputado federal, Pedro Chaves, e possivelmente com os prefeitos de Aparecida de Goiânia e Jataí, para citar dois municípios emblemáticos — além de Maguito Vilela, Humberto Machado, que não estarão mais no poder, e do ex-deputado federal Leandro Vilela —, se estiver na presidência do partido, Daniel Vilela tende a ser o próprio candidato a governador do PMDB.

Entretanto, se perder o comando do PMDB para um irista, Nailton, e um quase-irista, Nelto, a situação de Daniel ficará complicada. Mas os peemedebistas estão numa encruzilhada. Um caminho, com Daniel, sinaliza para a renovação. O outro caminho é o da tradição, o do irismo.

Uma resposta para “Disputa pelo comando do PMDB põe em jogo quem será candidato a governador em 2018”

  1. Caio Maior disse:

    Tanto quanto Iris Rezende representa o “PMDB de Iris”, Daniel Vilela é o “novo” – o “PMDB de Marconi”. Simples assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.