Magda Mofatto e Flávio Canedo, que comandaram o Partido Liberal por dez anos em Goiás, já confirmaram a saída da sigla. Ambos fazem esforço para levar consigo os prefeitos de 14 cidades do interior de Goiás que ajudaram a filiar ao PL. Mofatto provavelmente irá para o Patriota, que está em processo de fusão com o PTB para formar o partido “Mais Brasil”, de número 25. O partido ficará sob comando de Jorcelino Braga e deverá manter oposição ao governador Ronaldo Caiado (UB). 

Do outro lado do cabo de guerra, puxam articuladores ligados ao PL, tentando manter os prefeitos onde estão. Ao seu favor existem dois nomes de peso: primeiro, o ex-presidente Bolsonaro (PL) e a promessa de vídeos de apoio gravados para todos os candidatos do partido, dos maiores aos menores municípios. Em segundo, o do próprio governador, que mantém o PL em sua base.

Entre os 14 prefeitos do PL, alguns são mais próximos à Magda Mofatto, como os administradores dos municípios de São João D’Aliança; São Domingos; Corumbá; Leopoldo de Bulhões; Cocalzinho de Goiás; entre outros. Todos os prefeitos que responderam a coluna afirmaram ainda não ter decidido o que fazer. Há dentro do próprio PL um esforço do senador Wilder Morais para conter a situação e convencer Magda Mofatto e Flávio Canedo a apaziguar a situação. 

Segundo articuladores ligados ao PL, há uma fila de prefeitos que aguardam para poder migrar para o partido, pela força do bolsonarismo. Um exemplo é o deputado estadual Gugu Nader, atualmente do partido Agir, que disputará a prefeitura de Itumbiara pelo PL. A tese é que os eleitores do interior de Goiás vão dar mais peso ao partido do ex-presidente do que às personalidades disputando à prefeitura.