Com bens indisponíveis por causa de obra, Antônio Gomide assume Comissão de Obras da Assembleia

Assembleia Legislativa desafia o TCM, o Ministério Público e a Justiça e indica petista para a Comissão de Serviços e Obras

Antônio Gomide: deputado estadual e ex-prefeito de Anápolis | Foto: arquivo

Os dados indicam que a Assembleia Legislativa de Goiás decidiu, com uma só tacada, confrontar tanto a Justiça como o Ministério Público e o Tribunal de Contas dos Municípios. A inexperiência do presidente Lissauer Vieira (PSB) possivelmente é a principal causa de o deputado Antônio Gomide, do PT, ter sido “eleito” na terça-feira, 19, para a presidência da Comissão de Serviços e Obras da Assembleia.

No ano passado, investigado pelo TCM e denunciado pelo Ministério Público, Antônio Gomide acabou por ser condenado por improbidade administrativa. Motivo: os gastos mal explicados com a “construção” da Câmara Municipal de Anápolis. Aceitando o pleito do Ministério Público, a Justiça decidiu bloquear 1 milhão de reais em bens dos envolvidos. Para piorar as coisas, a obra, deixada de lado pelo ex-prefeito aliado de Lula da Silva, se tornou escândalo no “Fantástico”, da TV Globo.

A pergunta que não se cala é: se Antônio Gomide foi condenado e está com os bens indisponíveis, por causa de uma obra, que abandonou, por que foi indicado exatamente para a Comissão de Serviços e Obras no Legislativo de Goiás? Talvez seja preciso insistir na pergunta inicial: será que a gestão de Lissauer Vieira, que se pretende inovadora, avalia que se pode confrontar o Ministério Público e a Justiça gratuita e impunemente?

Resta saber se o Ministério Público vai ficar quieto ante a “eleição” para comandar a Comissão de Serviços e Obras de um deputado que tem problemas judiciais exatamente por causa de obras.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.