Carrefour de Goiânia fecha as portas por causa de manifestação contra assassinato de homem negro

Seguranças do Carrefour mataram João Alberto, o Beto, na quinta-feira, 19, em Porto Alegre

A unidade do hipermercado Carrefour do Setor Sudoeste, na Avenida T-9, fechou suas portas na tarde de segunda-feira, 23, devido a uma manifestação organizada pelo movimento negro. Dezenas de manifestantes protestaram na porta do supermercado em referência ao assassinado de João Alberto Silveira Freitas — um homem negro —, que foi agredido e morto por seguranças do Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Manifestantes na porta do Carrefour, em Goiânia | Foto: Jornal Opção

A manifestação foi pacífica e nada depredou. Mesmo assim, a direção do Carrefour decidiu fechar as portas e inclusive o estacionamento (o que irritou vários clientes, que queriam sair do local e foram impedidos por funcionários do supermercado). Os manifestações mencionavam o assassinato de João Alberto, ocorrido na quinta-feira, 19, e vários diziam: “Carrefour nunca mais”. Policiais militares foram colocados de prontidão.

A deputada estadual Adriana Accorsi participou da manifestação.

As manifestações contra o racismo no Brasil vão continuar durante a semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.