Caiado não fez a barba na Assembleia mas fez o cabelo na Câmara e o bigode no Senado

Governador apoiou reeleição de Rodrigo Maia e foi decisivo para que o DEM acreditasse na viabilidade de Davi Alcolumbre, o azarão que venceu o favorito Renan Calheiros

Maia, Caiado e Alcolumbre: articulação do DEM funciona 100% e partido agora dá as cartas no Congresso Nacional | Fotos: Divulgaçãoa

Nada como um dia depois do outro, deve ter sido a frase dita pelo governador Ronaldo Caiado, na tarde de sábado, 2, quando seu aliado Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito presidente do Senado. Na noite de sexta-feira, outro aliado do governador, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), havia sido reeleito à presidência da Câmara dos Deputados.

Caiado entrou de cabeça na articulação da reeleição de Rodrigo Maia, recebendo-o em Goiânia para pedir votos à bancada de deputados federais goianos e acelerando contatos com lideranças em Brasília. No caso de Davi Alcolumbre, o apoio do governador foi ainda mais decisivo.

Começou logo após o resultado das eleições do ano passado, quando Alcolumbre não conseguiu vencer a disputa ao governo do Amapá e passou a cogitar a presidência do Senado. Ele era o único membro da antiga Mesa Diretora que manteve o mandato e, por isso, presidiu interinamente os trabalhos da reunião preparatória, na qual ocorre a eleição interna da Casa.

Ronaldo Caiado e o colega José Agripino Maia  (DEM-RN) foram os primeiros a acreditar no projeto ousado do jovem senador (ele tem apenas 42 anos). Sem temer represálias da forte articulação de Renan Calheiros (MDB-AL) no Senado, estimularam Alcolumbre a não desistir.

Mais do que isso: Caiado e Agripino afiançaram a entrada, para valer, das demais lideranças do DEM no projeto. Fecharam o apoio de ACM Neto, presidente do partido (que autorizou o uso de jatinho particular para que Alcolumbre visitasse senadores país afora).

E, talvez mais importante, Caiado e Agripino levaram Alcolumbre ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também do DEM. Passo fundamental para que a candidatura tivesse o apoio, mesmo que velado, do Palácio do Planalto.

O desenrolar da eleição provou que o DEM fez a leitura certa do cenário: a grande rejeição a Renan foi a tônica do pleito no Senado. Caiado passa agora a desfrutar de grande proximidade com os comandos das duas Casas do Congresso Nacional.

Mesmo que na Assembleia Legislativa não tenha sido possível emplacar o candidato de seus sonhos, o deputado Álvaro Guimarães, Caiado sai do final de semana mais decisivo do ano legislativo com grandes motivos para comemorar.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.