A bancada federal de Goiás, com ligeiras exceções — como Giuseppe Vecci, Jovair Arantes, Sandes Júnior (apresenta projetos consistentes) e Marcos Abrão (se destaca na discussão de assuntos urbanos, como habitação) — permanece tímida e pouco capaz de cavar espaços no cenário nacional.

Na Câmara dos Deputados, Goiás é o rei do baixo clero. No Senado, pelo menos, Lúcia Vânia, do PSB, e Ronaldo Caiado, do DEM, trabalham e aparecem mais. Wilder Morais, do PP, joga apenas em defesa de seus negócios.