A tendência é que o MDB indique o vice do petista em Anápolis e depois o PT apoie Daniel Vilela para governador em 2022

Antônio Gomide, deputado estadual, e Daniel Vilela, presidente do MDB: aliança para 2020 e 2022 | Fotos: André Kerygma (Gomide) e Fernando Leite/ Jornal Opção (Daniel)

Apesar de descontente com o deputado federal Rubens Otoni, que está impondo Kátia Maria no comando do PT, o deputado estadual Antônio Gomide não vai sair do partido.

Cotado para disputar a Prefeitura de Anápolis, em 2020, Antônio Gomide tem dito aos aliados que não definiu seu projeto. Mas suas articulações nos bastidores sugerem que vai mesmo disputar a prefeitura. Ele está trabalhando uma aliança com o MDB do ex-deputado federal Daniel Vilela e do dentista e empresário Márcio Correia, presidente do partido em Anápolis. Correia é cotado para ser seu vice.

Mas uma coisa é certa: se não for eleito prefeito — frise-se que a avaliação da gestão do prefeito Roberto Naves (PTB) melhora dia a dia —, Antônio Gomide vai disputar mandato de deputado federal em 2022. Será uma espécie de tira-teima entre os dois irmãos — que, em Anápolis, são chamados de Caim e Abel, sem que se especifique quem é Caim e quem é Abel. Os dois não conversam e não se toleram.