Ainda falta muito a Daniel Vilela para ser o Marconi de 1998

Nilson Gomes

Especial para o Jornal Opção

O deputado estadual Daniel Vilela, visto por alguns como opção para candidatura a governador, tem muito pouco do Marconi Perillo de 1998.

Há 16 anos, Marconi reuniu em torno de si toda a oposição, descontado o PT. Daniel não consegue unir nem seu partido, o PMDB, muito menos o PT.

Marconi tinha o maior tempo de TV. Daniel, mesmo se for bem-sucedido nas articulações com os nanicos arranca-grana, sequer vai chegar à metade do que Marconi já tem.

Marconi contava com o apoio de prefeitos populares em cidades grandes, como Nelci Spadoni (de Rio Verde), Valcenôr Braz (Luziânia) e, principalmente, Nion Albernaz (Goiânia). Contava ainda com a neutralidade do prefeito de Anápolis, Adhemar Santillo, mal avaliado e distante de Iris Rezende, o concorrente de Marconi. Daniel só tem a seu favor o pai, Maguito Vilela, prefeito de Aparecida.

Marconi era visto como político. Daniel é visto como filho de Maguito.

Marconi substituiu um pré-candidato, Roberto Balestra, que rastejava nas pesquisas. Daniel substituiria um dos favoritos, Iris Rezende, que lidera levantamentos e empata tecnicamente em vários institutos.

Marconi era deputado federal, vinha de grande repercussão na mídia em todo o Brasil, como relator do processo de cassação de Sérgio Naya, aquele empreiteiro que construía prédios com areia salgada da praia. Daniel só é conhecido em Jataí, arredores da Prefeitura de Aparecida e dos campos do Goiás e do Atlético, dos quais foi atleta.

Como deputado estadual, Marconi teve destacada contundência em oposição ao PMDB. Na Assembleia, Daniel não é destaque nem na bancada do partido – e olhe que a concorrência é mais fraca que energia da Celg.

Antes dos 30, Marconi já era bom de discurso. Daniel ainda não alcança nem nível para tribuna do Sintego, o sindsaco de gatos que atrapalha a carreira dos professores, o aprendizado dos estudante e a vida das famílias.

Daniel ainda pode chegar como governador ao palácio ocupado pelo pai em boa gestão (e, principalmente, pela mãe, a maravilhosa Sandra Carvalho, de excelente trabalho social desde os tempos de menina, com as campanhas Auta de Souza em Jataí). Mas fica para outra eleição. No quadro atual, Daniel chegaria em quarto, atrás de Marconi, Vanderlan Cardoso e Antônio Gomide. E isso não é necessariamente ruim: nessa idade, chegar em quarto atrás de alguém é muito melhor que mexer com política.

Nilson Gomes é jornalista e advogado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

João Carvalho

Matou a pau Nilson Gomes. Daniel, se brincar, não é conhecido nem no prédio onde ele mora!!! E o pai dele, coitado, vai sair com uma péssima imagem da Prefeitura de Aparecida. Ninguém esquece: ele aumentou o IPTU, na maioria dos casos, em mais de mil por cento. É o meu caso. É o caso de um casal de velhinhos, vizinhos meus, que se mudaram do setor porque tinham duas opções: pagar IPTU parcelado a perder de vista ou comprar remédios. Ficaram com a segunda opção.

Dudu pinheiro

Boa Nilson,essa turma perdeu o dindin do friboi e agora tao sem noçao,nao querem Iris porque sera mais facil arrumarem uma boquinha com Marconi do que com Iris.

Eder

Achei a critica muito tendenciosa e de mal gosto, o fato de Daniel nao ser Marconi e notorio mais dizer que ele seria o quarto é de mal gosto, pois ele tem nome mesmo sendo lenbrado simplesmente por ser filho de maguito, tem discurso e passaria por cima do inoperante vanderlam e do inexixtente gomide, devemos fazer comentarios politicos baseados em fatos e nao em paixao como foi essa critica apaixonada ou pelo dinheiro de friboi ou pelo poder de marconi