O Movimento Democrático Brasileiro (MDB) pode ser considerado o maior “protagonista” das últimas eleições municipais de Goiânia. Desde o pleito de 2004, o partido coleciona diversas vitórias recentes no eleitorado goianiense. A única exceção durante o período foi em 2012, quando a sigla apoiou Paulo Garcia (PT), ex-vice de Iris Rezende, mas ainda indicou Agenor Mariano para poder compor a chapa.

Entre os rumores e indefinições que ainda cercam o pleito do próximo ano, a única certeza é de que o MDB deverá buscar manter o protagonismo. Resta saber quais serão os planos para o projeto político de 2024, principalmente sobre quem será o nome escolhido. Se a candidatura será alguém do próprio partido, se a chapa será composta por outras siglas, e quais serão eles.

O presidente do Diretório Metropolitano do MDB de Goiânia e vereador, Henrique Alves, fala que ainda não existem conversas efetivas sobre uma possível aliança MDB e PT. “Pelo menos na nossa parte aqui da Câmara Municipal ainda não”, apontou Alves, em entrevista para o Jornal Opção. “Isso tudo dependerá do cenário e da conjuntura, o MDB é um partido muito grande e deve buscar uma chapa majoritária. O PT e outros partidos também serão procurados para serem ouvidos em um futuro próximo”, acrescentou.

Apesar de negar que ocorram conversas no momento, o vereador também não descarta de vez a possibilidade de MDB e PT voltarem a ser aliados na cidade: “para o próximo ano, tudo é possível”. Segundo ele, a única aliança que está definida até o momento é com o União Brasil.

No mesmo tom do parlamentar, o vereador Denício Trindade (MDB) acredita que qualquer composição envolvendo o partido é possível. “Podemos observar em nível nacional que nas últimas eleições ocorreram composições que jamais imaginaríamos. A única questão que houve no passado foi um racha durante a gestão de Paulo Garcia que, é claro, já foi superado”, contou.

Pelo lado petista, a vereadora Kátia Maria contou para o Jornal Opção que coordenará uma estratégia para o estado de Goiás em relação ao pleito municipal. Um dos pontos que ela garantiu é que será debatido uma possível aliança com o MDB.

“Existe uma relação entre os dois partidos dentro do Governo Federal, por isso podemos retomar esses diálogos com naturalidade aqui em Goiás. Só que nós devemos buscar conversas prioritárias com siglas mais próximas e que estiveram diretamente com a gente nas últimas eleições, como o PSB (Partido Socialista Brasileiro)”, explicou a parlamentar.