Médico não recomenda prática do crossfit nem para atletas bem condicionados

A despeito de polêmica, muitas academias minimizam estudos que criticam a atividade

Maurício Rassi: “A minha família, o meu ciclo de amigos e pacientes não têm minha autorização para este tipo de atividade”

Maurício Rassi: “A minha família, o meu ciclo de amigos e pacientes não têm minha autorização para este tipo de atividade”

Yago Sales

Os argumentos de quem pratica esporte são inumeráveis. Recorrente, a boa saúde é um dos motivos que mais se ouvem entre os que defendem práticas de alto rendimento — modalidades que exigem superação pelo praticante. Normal­mente, esportes com essa alta dose de esforço são desgastantes ao extremo, porque os treinos são longos. A condição física do adepto é fundamental. O crossfit é um exemplo dessas modalidades que se tornaram famosas e leva milhares de pessoas às academias em busca de corpos cheios de músculos e bem delineados, próximos da perfeição. O cuidado, porém, é negligenciado em tempos de moda. Reinam mais as promessas insensatas de resultados rápidos dos estabelecimentos que mais visam o lucro do que a boa saúde dos clientes.

A alta chance de os praticantes sedentários e novatos convertidos ao esporte se lesionarem é muito pouco discutida. E as lesões estão atreladas, logicamente, à frustração.

Não se engane. Mesmo sob a promessa de que o crossfit é a continuidade da vida, com movimentos iguais aos do dia a dia, como correr, subir a escada, deitar e pular, os riscos são grandes. Especialistas entrevistados pelo Jornal Opção alertam para estudos que criticam com veemência alguns exercícios danosos ao corpo humano. Até morte pelo esporte o Brasil registrou neste ano.

O médico

Gerente de médico de reabilitação do Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), o fisiatra Maurício Rassi, não esconde sua posição contrária à prática do crossfit: “A minha família, o meu ciclo de amigos e pacientes não têm minha autorização para este tipo de atividade.” Ele tem motivo para radicalizar. Vem acompanhando pacientes com fraturas graves, algumas das quais irreversíveis. Isso o fez observar: o dano é muito maior do que os benefícios oferecidos pela modalidade de treinamento. Ele revela que o desgaste traz sequelas às juntas e às articulações, o que impossibilita ao corpo humano a mobilidade adequada e pode deixar o paciente preso ao tratamento fisioterapêutico.

A opinião do médico veio contra a onda de propaganda disseminada em páginas da internet que não dão nem sinal de perigo aos praticantes do crossfit, que tem inspiração em treinamentos das Forças Armadas. “Esses exercícios não são para pessoas comuns. Preciso colocar isso na cabeça dessa gente toda”.

Para ele, os exercícios são “so­bre-humanos” e provocam danos às articulações, deixando heranças de dores constantes. “Os exercícios não são para pessoas comuns. Quem os pratica vive para isso, se dedica integralmente e tem histórico de treinamento”, destaca Rassi. Para ele, a modalidade não deve ser instigada a pessoas despreparadas fisicamente, pois pode ocasionar várias lesões. Ele observa que a coluna lombar, não tanto a cervical, tem sido muito lesionada devido aos esforços excessivos.

Ele relembra que o levantamento de pneus de caminhão e blocos de cimento com frequência demanda muito preparo físico. Por mais que os alunos defendam os professores, o médico alerta: “Por mais preparado que o professor seja, o corpo será afetado. Se não lesionou ainda, vai ocorrer”.

O médico alerta que as lesões dão dores nas articulações e podem romper com um músculo. “O crossfit pode dar artrose no quadril, porque se faz um esforço muito excessivo e o corpo não está preparado. Os esforços repetitivos, com cargas acentuadas lesionam. No correr dos anos, vamos ver que o crossfit faz mais mal do que bem”.

Postura

Para entender melhor as lesões, a reportagem procurou a fisioterapeuta Bruna Castro. Depois de trabalhar oito meses em uma academia e ver alunos se lesionando por causa de exercícios que sobrecarregam e colocam o corpo em posições inadequadas, ela entendeu que as lesões são causadas pela sobrecarga, principalmente por causa de levantamento de peso. Para Bruna, esses exercícios podem afetar ombros, joelhos, coluna e outras articulações.

“Para mim, a postura incorreta desgasta as musculaturas e os ossos.” Ela relata que, quando trabalhou em academia, discutia com treinadores porque eles partem da máxima de que o que vale é realizar o desejo dos clientes de emagrecer e ganhar massa muscular. Muitos dos alunos entram nas academias acreditando que isso pode ocorrer em um mês, pois alguns educadores físicos prometem isso e exigem do corpo do aluno para cumprir as metas.

De fato, os exercícios do cross­fit são conhecidos por realmente dar um resultado muito rápido. Bruna, porém, diz que “no futuro o esportista sofrerá lesões por excesso de carga na musculatura, tendão, desgaste articular e pode até romper um ligamento.”

A fisioterapeuta destaca que conhece pessoas que iniciaram o crossfit e não continuaram os exercícios por conta das dores musculares. “E isto futuramente pode causar hérnia de disco, tendinite e bursite. Todas essas patologias são inflamações”, alerta.

Academias não exigem exames

A jovem Mariana de Castro desistiu do crossfit devido a uma lesão no joelho

A jovem Mariana de Castro desistiu do crossfit devido a uma lesão no joelho

Ela quase não aguentava de tantas dores. Naquela noite, chegou para o treino às 20 horas. Depois de ser convencida por vários amigos de que o crossfit oferece resultados rápidos, com um treinamento sem monotonia e feito em grupo, tentou se matricular em três academias. Ela sabia que os exercícios foram criados para o treinamento militar. Queria mesmo era fortalecer a musculatura, criar resistência e superar os limites físicos para alcançar o corpo bem desenhado.

Como fazia há alguns meses, a estudante Mariana de Castro Pires, 22 anos, cumpria todas as instruções de manuais de treinamento. Seguia-os à risca. Na noite em que decidiu nunca mais praticar o crossfit, estava determinada a lutar contra as limitações, romper com dificuldades. Um estímulo brotava dentro dela e, naqueles 60 minutos — o tempo diário para a prática —, ela fez agachamento, correu e realizou remadas.

No decorrer do treinamento, sentia fortes dores no joelho, mas resistiu ao treino até o fim. Ela sabia que as dores são comuns à pressão de um esporte de alto rendimento. Dois fatores determinantes devem ficar claros a quem quer se dedicar à modalidade: o primeiro é ter disciplina e o segundo é estar ciente das grandes dificuldades que devem ser superadas.

Depois do treino, Mariana chegou ao apartamento em que mora com muita dor; desta vez, pelo corpo inteiro e que a impediam até de sentar. As dores estão indissociáveis aos exercícios de crossfit. Se não doer, é porque o corpo não está ganhando resistência. E essa resistência é adquirida a partir do momento em que o aluno opta por viver obstinado, sempre em busca de romper as barreiras dolorosas e alimentar o ego ao se sentir imbatível, quando os exercícios se tornam quase indolores.

Desde que procurou pelo primeiro grupo para o treino, no Setor Universitário, Mariana percebeu algo errado: eles davam início aos treinos sem solicitar qualquer tipo de exame médico. Profissionais de Educação Física, médicos e praticantes da modalidade são unânimes quanto à necessidade de acompanhamento de um cardiologista, por exemplo.

Mariana fez três vezes, em escolas diferentes de Goiânia, o treino de crossfit — nenhuma delas sequer perguntou se teria passado por exames médicos. Paira a pergunta: onde estão os responsáveis por essas academias que, não apenas no caso de Mariana, liberam a prática do crossfit com facilidade sem passar por procedimentos médicos?

As academias fazem propaganda — quase uma imposição social — de bom acompanhamento, mas em duas das três academias pelas quais passou, Mariana teve de fazer os exercícios sem auxílio de treinador, pelo menos inicialmente. Não ter um acompanhamento efetivo é uma reclamação comum entre praticantes entrevistados pelo Jornal Opção. Eles são incentivados ao autodesafio. Numa autoreclusão para conhecer as limitações de si mesmo, para autosuperação. E isso implica em extrapolar todos os limites, desagradando especialistas que enxergam nessa obsessão um iminente risco para a saúde física. A estudante justifica o interesse pelo crossfit, devido a pessoas próximas que tiveram resultados rápidos. Mariana ia alcançando os resultados, mas o joelho machucado foi o ultimato para que ela desistisse de um esporte que, segundo ela, vicia e passa a fazer parte da vida de seus adeptos.

Grávida tem permissão de médico para continuar na atividade física

Fotos: Renan Accioly

Fotos: Renan Accioly

Os enjoos são os primeiros indícios de gravidez em mais um dia de treinamento na vida da personal trainer Luciana Rodrigues de Oliveira, de 32 anos. Ela já tinha ouvido falar que mesmo na gestação poderia dar continuidade aos exercícios de crossfit. O alívio, contudo, só veio quando foi liberada pelo médico obstetra. Mas o tamanho da barriga mudou as rotinas dos treinos a partir do quinto mês. Ela justifica o fato de continuar praticando o esporte por conta da rotina de treino que, segundo ela, reduz os efeitos no corpo decorrentes da gravidez, dando-lhe mais energia e uma melhor noite de sono.

Luciana diminuiu a carga dos pesos que utiliza, mas, mesmo assim, o treino continua exigindo força para, em uma hora diária, superar seus limites físicos. O obstetra de Luciana, no entanto, não quis comentar a decisão de permitir a paciente a seguir nos exercícios.

A reportagem acompanhou um treino de Luciana. Ao lado de uma turma de pelo menos 20 alunos, três professores acompanham exercícios em equipamentos com proteção. Ela pratica crossfit às 7 horas da manhã.

 

Médica Raquel Costa defende prática e critica colegas que, segundo ela, não conhecem a prática do crossfit

Médica Raquel Costa defende prática e critica colegas que, segundo ela, não conhecem a prática do crossfit

Também praticante do crossfit, a médica oftalmologista Raquel Costa Coelho, 45 anos, atesta a importância da prática e critica os profissionais que são contrários ao esporte. “É um número pequeno de médicos. Eles não conhecem o crossfit e emitem opiniões sem embasamento”, diz. Para ela, que há cinco anos pratica a modalidade, existem muitos praticantes que se confundem com esportistas profissionais. “Aí é que ‘mora’ o segredo”. O profissional, ao qual se dá o nome de atleta preparado, tem de ter uma dedicação integral aos treinos, com alimentação adequada, sem fumar, sem bebida alcoólica e uma rotina na fisioterapia.

Lesões

O crescente número de praticantes do crossfit lesionados chama a atenção de especialistas. O Jornal Opção buscou pesquisas relacionadas ao tema, mas não encontrou na literatura científica muita coisa senão um estudo em inglês, intitulado “The nature and prevalence of injury during Crossfit training” (“A predominância e os tipos de lesões durante treinos de crossfit”), publicado em 2013 no “Journal of Strength and Condi­tioning Research Publish Ahead of Print”. Segundo o estudo, lesões no ombro e coluna são as mais comuns entre os pacientes.
O ortopedista Murilo Tavares Daher, chefe do Grupo de Coluna do Crer, reitera a importância de os exercícios serem feitos apenas depois de o aluno passar por especialistas. “Aconselho o paciente a começar devagar, no seu limite, sem querer acompanhar a turma que está sob constante expectativa de superação”, alerta.

Os exercícios pautados em altíssima intensidade, e em curto período de tempo, tem a vantagem de proporcionar boa queima calórica. Mas eles oferecem riscos para a saúde, como lesões musculares e, até mesmo, problemas cardíacos em pessoas predispostas.
Depois de demonstrar exercícios à lente do fotógrafo do Jornal Opção, o estudante de Educação Física Gleydson Ro­drigues, de 29 anos, não escondia a fadiga.
A prática, diz ele, exige força, velocidade, coordenação, equilíbrio e resistência muscular. “A adrenalina é tudo para mim. Supero a mim usando o meu próprio corpo. É um autodesafio a cada treino.”

Morte

A morte de Roberval Ferreira Ferreira, 35 anos, em Águas Claras, Brasília, no final de fevereiro, é um desses exemplos que alertam para a conscientização. Ele morreu depois de uma parada cardíaca na academia do Park Way, após exercícios de cross­fit. Um vídeo de 5 segundos que circula na internet mostra a tentativa frustrada dos paramédicos de reanimar o coração de Roberval no local em que treinava.

O cardiologista do Instituto de Neurologia de Goiânia, Alberto de Almeida Las Casas Júnior, explica que os exercícios são pesados para iniciantes e devem exigir acompanhamento médico. Para ele, quem quer dedicar-se à prática do esporte, deve se consultar com um cardiologista. “No consultório, se faz uma avaliação cardiológica, mas um dos procedimentos mais importantes é o eletrocardiograma [aquele exame que demonstra um gráfico registrando ocilações elétricas da atividade do músculo cardíaco] onde pode ser diagnosticada predisposição a arritmias cardíacas quando os impulsos elétricos do coração não funcionam corretamente.” Essas arritmi­as podem ser percebidas quando há palpitação — quando o coração tem batimentos rápidos — e dores no peito, desmaios e tonturas.

O cardiologista já atendeu esportistas vítimas de Aci­dente Vas­cular Cerebral (AVC). “Muitos dos casos que nos chegam são de pacientes que estavam de cabeça para baixo e isto pode causar dissecção da artéria carótida.” Ele explica que essa dissecção é uma das causas frequentes de Acidente Vascular Cerebral Is­quêmico (AVCi), em pacientes jovens, por volta dos 30 anos.
O AVC é um sangramento relacionado ao aumento excessivo da pressão arterial devido ao esforço físico feito pelo cross­fit. A pressão arterial fica alta e ocorre uma rup­tura da parede da artéria e leva o AVC.

Gleydson Rodrigues: “A adrenalina é tudo para mim” | Foto: Renan Accioly

Gleydson Rodrigues: “A
adrenalina é tudo para mim” | Foto: Renan Accioly

Fiscalização

O chefe da Advocacia setorial do Conselho Regional de Educação Física de Goiás e de Tocantins da 14ª Região (CREF 14/GO-TO), Samuel Lemos, diz que a melhor maneira de evitar treinar em academias despreparadas é procurar o responsável técnico registrado no CREF. Conhecer a estrutura física é importante, inclusive procurar permissões do Corpo de Bombeiros e da prefeitura – que é a soma de vários alvarás, dentre eles o alvará da Vigilância sanitária.

Em Goiás, segundo o CREF/GO-TO, são pelo menos 1.740 academias regulamentadas, mas nem todas são liberadas para oferecer a modalidade crossfit. Com a ascensão da modalidade, e a enorme procura, as denúncias de irregularidades aumentaram quando academias não autorizadas surgiram para oferecer os treinos de maneira despreparadas. Os estabelecimentos são notificados muitas vezes por não oferecerem condições de acompanhamentos adequados. “O profissional de Educação Física é de saúde então precisa respeitar os requisitos, ter alvará de funcionamento.”

Não é o caso de abandonar os exercícios, mas o bom senso evita contratempos. A premissa de que os exercícios físicos fazem bem para a saúde é válida. Mas buscar um corpo perfeito de maneira irresponsável, em exercícios sobre-humanos e sem um acompanhamento adequado, em desrespeito à saúde, não pode ser a prioridade. Afinal, se exercitar com cuidado pode evitar lesões e mortes.

 

Esta reportagem foi atualizada às 11:10, do dia 31 de março de 2016. 

 

Deixe um comentário

Na reportagem eles disseram ao meu respeito a 5 minutos de exercicio, mas o tempo foi bem maior e sou atleta de alto rendimento e atleta de fisiculturismo e estava afastado do crossfit ha alguns meses devido a minha preparaçao para o Campeonato Estreante de Fisiculturismo que teve dia 19/03 no Teatro da PUC, e a exibicao durou cerca de 20 minutos para fazer as fotos, e a sequencia de varios exercicios e repetiçoes para captar a melhor imagem como o reporter e o fotografo disseram. Entao e muito facil leigos e nao praticantes e principalmente quem nao tem embasamento… Leia mais

Cara todo mundo tem direito de criticar o que quiser quando quiser. Conhecendo ou não. É só ignorar e continuar fazendo da sua vida o que vc quiser e gostar. E ignora que criticar e não gostar…simples…

Tu é frango e além disso leigo.

Cara se tem várias lesões,se tem histórico de morte não pode ser recomendado por nenhum médico. Se para vc uma morte não é nada,então vai lá e se mata idiota.Vai critcar um médico q estudou e estuda a vida toda para salvar vidas,enquanto vc fica nessa sua vidinha de BCAA’s e whey protein para ficar bombadinho!!!!

Futebol – tem histórico de morte / lesões;
Natação – tem histórico de morte / lesões;
Campeonato de xadrez – tem histórico de morte;

Poderia listar um monte de esportes que ja teve morte… isso nao significa que e morte foi causada pelo esporte e sim foi uma FATALIDADE, que pode acontecer em qualquer esporte e em qualquer lugar.

por favor se informe melhor sobre qualquer esporte antes de critica-lo por uma simples matéria… respeite o meu esporte!!!

ass.: CrossFiter que tem uma hérnia de disco na lombar e hoje vive sem nenhuma dor graças a esse esporte!

Históricos de mortes tem em TODAS as modalidades de esporte…é a vida não?

Cada caso é um caso.

Conheci. Assino embaixo. Cross fit é horrível. Mal executado em várias que visitei e na que frequentei. Me rendeu uma semana sem andar e muita frustração. Never ever more! Péssimo ao quadrado.

PRECISO MESMO ME MANTER CALADO DEPOIS DE TANTOS ANOS SENTADO EM UMA CADEIRA DE GRADUAÇÃO, PÓS GRADUAÇÃO, MESTRADO E DOUTORADO VENDO AS PESSOAS PERDENDO SUAS SAÚDES, ESTOURANDO SUAS MUSCULATURAS, SEUS LIGAMENTOS E SUAS POSTURAS COM PRÁTICAS DESRESPEITOSAS À SAÚDE ? É MESMO NECESSÁRIO QUE PROFISSIONAIS DE OUTRAS ÁREAS OPNEM EM UM ASSUNTO TÃO ÓBVIO E DE RESPONSABILIDADE DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ? COLEGAS VAMOS TER RESPONSABILIDADE E PRINCIPALMENTE NÃO VAMOS APENAS REPRODUZIR, VAMOS ESTUDAR !!! Os adeptos a “malhação sem camisa e com gritinhos levantando ferro” que me perdoem… Já passa da hora das modalidades tidas como “novas” e… Leia mais

Realmente É chato vê pessoas não qualificadas se “intrometer” em áreas que não são da sua alçada. Fico chateado quando vejo um educado físico passando dieta ou dando orientações. Seria tão mais fácil com cada um no seu quadrado.

Pois então doutor! Eles querem mesmo é corpo sarado e cabeça oca! Não há como convencer alguém assim! O estudo, a cultura e a humildade deveriam ser oportunidade de todos!

Vejo dois grandes problemas no cotidiano da prática de exercícios físicos Juliano. Em primeiro lugar está a falta de preparo de grande parte dos nossos colegas de profissão, pois quando o profissional não tem argumentos para conversar com seus alunos ele se vê pressionado a fazer o que o aluno quer, e isso geralmente leva a exercícios de altíssima intensidade na busca do resultado “pra ontem”. O outro problema é justamente a busca imediata por resultados dos alunos, principalmente os jovens, que num primeiro momento até conseguem executar o treinamento insano que lhes é passado e o resultado aparece realmente… Leia mais

Sim Juliano. Todos Juntos.

Vc estude a modalidade antes de falar!!!!! Nos EUA existem muitos estudos sobre a modalidade que é nova no Brasil (isso se 8 anos ainda poder considerar novidade), nos EUA existe há 17 anos. Talvez vc deva conversar com seus colegas médicos praticantes. Médicos com especialização em medicina esportiva. No box que faço eu conheço 5 médicos que faze, os que conheço, devem ter muitos outros que nem sei. Fora a quantidade enorme de fisioterapeutas que fazem, enfermeiros, nutricionistas etc. Colega médica VÁ ESTUDAR ANTES DE FALAR BESTEIRA!!!! E para de se achar a entendida no assunto!!!

A maioria que critica esse tipo de atividade passa a vida sentado em cadeiras sem fazer nada ou então da uma “corridinha”. Os responsáveis pela atividade montam os treinos como quiserem, se são imbecis o suficiente para fazer merda, bom, problema é deles. Por que não criticam a corrida, onde tem o maior número de pessoas com lesão no mundo, ou o futebol, onde tem a maior incidência de morte súbita no mundo? Vocês podem estudar, mas não sabem o que falam.

Eu machuquei tendão de aquiles e tive muitas dores nas articulações dos pulsos. Teve um dia que passei mal. Pensei que ia ter um AVC. Comi algo bastante calórico antes do treino com cacau em pó. Parei. Fiz um mês e meio. Não pretendo voltar. Muito agressivo. Tenho 100 kg e quase 2,00 m. Só me pediram exame médico de cardiologista. Acho que deveriam ter outros tipos de exame e o próprio bom senso dos profissionais de educação física. Prá mim não serve. Em contrapartida eu achava muito boa a questão da superação. Teve a parte boa também. Se não… Leia mais

O que assusta não é a ignorância desse médico com relação ao CrossFit.
Me assusta alguém ter a manha de usar essa camisa ridícula.

bjs seus frangos

Kkkkkkkkkkkk
Kkkkkkkkkkkk
Kkkkkkkkkkkk
Tb nao sou a favor do Crossfit
E existem o que nao prestam pro negócio
E acho aquela prova Bravus ridícula
MAS NADA, NADA SE COMPARA À ESSA CAMISA RI-DÍ-CU-LA!

Legal ver uma oftalmologista opinando a respeito de exercício físico…….

Uma oftalmologista estudou 6 anos medicina antes de ser oftalmo. Além disso, ela pratica Crossfit e sabe do que está falando!!!

Foi isso que pensei quando li kkkkk E ela ainda ta com trapezio de macho

http://www.xadrezpernambuco.com.br/2014/08/dois-participantes-morrem-durante.html

Dois atletas de XADREZ morreram durante um campeonato….Simples assim….ou só no Crossfit occorreu uma morte de um atleta? Ou só no Crossfit um atleta se lesionou? Dá um tempo..vai fazer uma prova de triathlon ou uma maratona sem orientação e sem preparação para vc ver só..

Fica sentado em uma cadeira de escritório durante oito horas por dia sem uma postura adequada para vc ver o resultado..o estudo apontado na reportagem já foi contestado diversas vezes pela metodologia utilizada..enfim..Crossfit serve para todos..mas não serve para qualquer um..

Eu sou educadora física e acho lamentável ver tanta ingenuidade na opinião dos mêdicos que sao contra o crossfit e os que culpam o esporte pelos fatos ocorridos. Acordem!!! Uma pessoa infarta ate mesmo em repouso, e se essa pessoa infartou é porque qualquer hora ela iria infartar, esse problema nao foi adquirido com o exercício. Oque acontece é que muitos educadores físicos não sabem orientar seu aluno e acompanha-lo durante os treinos, assim como muitos medicos não sabem examinar corretamente seu paciente e o mata acidentalmente através de remedios inadequados e perigosos… e isso nao quer dizer que todos… Leia mais

Eu preciso me calar com tamanha falta de conhecimento no assunto!! 🤐🤐🤐🤐🤐🤐

Que pratica mais esquisita ! Minha dieta é arroz, feijão,couve,jiló,quiabo,peito de frango etc…não entendo esse pessoal que faz coisa inimaginável ! Vai levar uma vida comum,pô !

Concordo plenamente. è certto qu o Cross Fit é usado como forma de Marketing, mas tudo tem limite, né? Chega a ser atiético, por colocar em risco a integridade física dos indivíduos e não promover a saúde, como nós profissionais de educação física devemos fazer.

O mundo é igual a uma moeda! Tema cara é a coroa! Mas o difícil é deixar a moeda equilibrada! Essa deveria ser a meta dos profissionais! E não ficarem debatendo defesas e conceitos! Mas sim se unir e estruturar um padrão saudável para que toda atividade seja práticada com saúde e segurança.

Professor se educação física /quiropraxista /Engenheiro civil.

Paulo. M. B. Jr.

Bom todo exercício com acompanhamento de bons disse bons profissionais os riscos de lesões são minimizados, o que acontece hoje é um descontrole no que diz respeito ao acompanhamento do aluno.. em qualquer exercício sem orientação e acompanhamento as lesões vão vir isso é fato.. procure profissionais qualificados, e academias certificadas assim você vai treinar sem medo de ser feliz.

Reportagem pra quem quer continuar comendo macdolnald e bebendo cerveja…beijo no ombro

Eu vejo as pessoas tao ficando é malucas. Cultuam exercicio fisico como se fosse uma seita. Vc encontra seu colega, conversa uma hora com ele e o cara fala 1h sobre crossfit. Leva marmita pra ceia de natal. Fisiotarapia é a proffisao do futuro com pessoas de meia idade lesionadas. a venda de bengala vai aumentar.

KKKKKKKK chega a ser engraçado. A quantidade de médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros que fazem Crossfit é imensa. O que lesiona é o Ego Inflado de querer fazer a mesma carga do amiguinho. Primeiro faça e depois fale. Antes não.

Se a musculação praticada há anos produz lesão imagina uma atividade que leva a repetição exaustiva. Os movimentos repetitivos e com sobrecarga produzem lesão por não ter variação de tonus e que vai impedir o extremo angular por conta da rigidez produzida. Ao longo da vida devemos manter este extremo angular tornando nossas articulações mais saudáveis disponibilizando um movimento fluente importante na manutenção das curvaturas da coluna

Pelos vídeos que assisto acho uma pratica muito extravagante, não faria, acredito sim que com o passar dos anos o prejuízo pode ser grande e as lesões devido ao despreparo para levantar pesos exagerados. Acredito no colega que tem especialização em educação física e que comentou que o corpo precisa de alongamentos e fortalecimento do corpo de maneira saudável e progressiva. Sou adepta da musculação, yoga e dança, desde que respeitem os limites do meu corpo.

Faça do seu corpo oq vc bem entender ou puder
EU particularmente já fiz, não tive problema algum.
Meu instrutor sabia adaptar alguns movimentos em um processo evolutivo. A receita p ter um corpo legal não passa somente pelas academias. Começa na sua geladeira. Vc é oq vc come.

tudo modismo…daqui ha ´pouco nao e mais crossfit é natacao, corrida, e assim por diante o ser humano vai na onda da massa……..

Os personais e professores de academias que nunca deram atenção aos seus alunos estão perdendo eles e agora estão chorando, fazendo matérias tendenciosas pra prejudicar uma modalidade que está “roubando” os alunos deles… kkkkkkkkkkkk… os que criticam falam em pesquisas, mas não têm pesquisas… segunda a matéria, só tem uma pesquisa que trata a respeito de dois tipos de lesões, o que é normal, principalmente se o esporte for praticado em alto rendimento, pois TODOS os esportes em alto rendimento é prejudicial a saúde! Para de chorar e vai trabalhar!

Teimoso todo mundo tambem pode ser. Problema é morrer e deixar a responsabilidade pra is outros

Parabéns ao médico, e aos outros profissionais de saúde, por finalmente, apontarem o que é óbvio e a bastante tempo conhecido, e relatado pela literatura medica, reabilitação, e nos trabalhos de educação física. O atleta de alto rendimento em seus treinos extenuantes e diários, leva seu organismo ao limite, tendo como retorno, adaptações físicas, estruturais, fisiológicas e patológicas. Sobrecarregar as articulações com cargas excessivas e com erros posturais na execução, levam quase sempre a lesões no sistema musculoesquelético e consequentemente a inúmeras sessões de fisioterapia.

Custa zero reais me poupar! Por favor me poupem!

Morre-se fazendo exercício físico mas morre-se muito mais por não fazê-lo. Crossfit tem o seu benefício mas cada um tem que reconhecer os seus limites. Acho que aqui cabe a expressao latina “In medio stat virtus” : A virtude está no centro. E “conhece-te a ti mesmo”. Um atleta que sofre uma lesão aos 20 tem grande chance de cura o que não ocorre se ele tiver mais do que 40.

wpDiscuz