Segundo tucano, 2016 será de maior apoio ao Paço Municipal, visando melhor gestão da cidade. Porém, vereador nega que vida do Executivo será fácil

Anselmo Pereira (esq) e Paulo Garcia | Fotos: Alberto Maia/Câmara de Vereadores
Anselmo Pereira (esq) e Paulo Garcia | Fotos: Alberto Maia/Câmara de Vereadores

É em 2016, ano das eleições municipais, que o presidente da Câmara Municipal de Vereadores pretende “aumentar” a parceria com o prefeito da capital, Paulo Garcia (PT). Foi o que disse o tucano ao ser questionado pelo Jornal Opção sobre quais as perspectivas de aliança entre o Paço e a Casa.

[relacionadas artigos=”55429″]

“Pois ele é o prefeito de Goiânia, e não do PT. Minha obrigação como presidente é auxiliá-lo na administração”, afirma. Em 2013 o tucano venceu as eleições para a Mesa Diretora com o apoio de vereadores da base aliada à prefeitura. Prometeu estilo linha dura na presidência, mas colegas do próprio partido e oposição reclamara, ao longo do ano, do posicionamento dúbio do dirigente.

Contudo, ele observa que nenhum dos gestores deve se intrometer em questões específicas de cada poder. “O Executivo fica lá e o Legislativo aqui. A não ser que seja para haver convergência para a cidade. Se o governo manda bons projetos será apoiado imediatamente; do contrário, não”, relata Anselmo.

O presidente é um dos pré-candidatos do PSDB à prefeitura da capital em 2016. Divide espaço com os deputados tucanos federais Fabio Sousa, Giuseppe Vecci e Delegado Waldir, além de Jayme Rincón, da Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop).

O PT tem como principais nomes os deputados estaduais Luis Cesar Bueno, a Delegada Adriana Accorsi e o ex-reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG) Edward Madureira.

Leia mais:
Lei deve ser aprimorada para evitar novas fraudes em alvarás