Vice-procurador diz que chapa Dilma e Temer recebeu pelo menos R$ 112 milhões irregulares

Para Nicolao Dino, montante coloca em cheque legitimidade da campanha PT-PMDB e justificam cassação. Julgamento começa na terça-feira

O vice-procurador Geral Eleitoral, Nicolao Dino, concluiu, em seu parecer final, que a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e de seu candidato à vice, Michel Temer (PMDB), hoje na presidência, contou com recursos irregulares de pelo menos R$ 112 milhões, segundo adiantado pelo jornal A Folha de São Paulo.

Para Nicolao, o alto montante coloca em cheque a legitimidade da campanha do PT-PMDB em cheque, e configura crime de abuso de poder econômico. O parecer faz parte de julgamento que será iniciado na próxima terça-feira (4/4). Na opinião do vice-procurador, as investigações justificam a cassação da chapa.

Caso o pedido dele seja aceito, Temer deixará o cargo e Dilma, que escapou de ter seus direitos políticos suspensos no processo de impeachment, ficaria inelegível por oito anos. Segundo ele, todos os recursos irregulares saíram dos cofres da empreiteira Odebrecht e foram pagos por meio de Caixa Dois e “Caixa Três”, além de pagos como propina.

Entre as operações irregulares estão pagamentos ao marqueteiro João Santana e sua esposa, Mônica Moura e negociações para aprovação de medida provisória. Em resposta, Temer e Dilma negam irregularidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.