Vice-campeão nacional de slackline é de Goiânia

Jovem conquistou prêmio após competir com atletas do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo. Em outubro, ele será juiz em competição em Bragança Paulista

Camarguim é vice-campeão da categoria trickline | Foto: Marcello Dantas/Jornal Opção Online

Camarguim é vice-campeão da categoria trickline | Fotos: Marcello Dantas/Jornal Opção Online

A cena é comum em Goiânia, principalmente nos parques: uma fita de nylon estreita de cinco centímetros, flexível e normalmente amarrada a duas árvores. As pessoas tentam se equilibrar. O slackline não é regulamentado como esporte, mas muitos levam a prática a sério na capital. E um dos principais nomes é Gustavo Rezende de Morais, o Camarguim, de 24 anos.

Além de ser um incentivador da prática, o jovem goianiense tem no currículo o vice-campeonato nacional de slackline, na modalidade trickline. A conquista se deu na primeira edição da Copa Brasil de Slackline em Goiás no início de junho, no Parque Flamboyant, Região Sul de Goiânia. Na categoria, o praticante faz manobras de alta dificuldade sobre a fita. Os três juízes avaliaram cinco quesitos: técnica, estilo, amplitude, comprometimento e criatividade.

slack line camarguim 4Se arriscando nas fitas há quase três anos, Camarguim afirmou ao Jornal Opção Online que a prática ainda é desconhecida aqui. Isso o levou a tornar a atividade como preferência; e ver os amigos fazendo foi fundamental para isso. “Exercito o equilíbrio e fortaleço o físico”, destacou.

O goiano competiu contra concorrentes do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Os movimentos são feitos a um metro e meio do chão, em uma fita de 18 metros de extensão. Para Camarguim, o fundamental para a conquista foi a execução de manobras como “sick nasty gambit”, “butt backflip” e “caindo no Buda side”. À reportagem, ele afirmou que todas foram criadas por ele.

No campeonato estavam competindo o paulista Daniks Araújo, campeão nacional na categoria profissional, e Giovanna Petrucci, que disputou na categoria feminina e profissional, na qual ficou em terceiro lugar. Em 2012, ela ganhou o campeonato mundial.

Esse não foi o único título de Camarguim. O rapaz de sorriso fácil também competiu em Brasília em novembro de 2012. Foi na capital federal que recebeu o primeiro prêmio, no desafio longline, em que o praticante caminha em uma fita de 50 metros, em menor tempo, e sem cair. Foram gastos apenas 1 minuto e 2 segundos, sendo que o equipamento estava armado a mais de dois metros da terra firme.

Agora, o vice-campeão afirma estar preocupado em difundir a prática em Goiânia, contando com a força das redes sociais. “O que mais me interessa é congregar os que gostam do slackline e curtir. Tem dias que a gente catraca a fita e o pessoal pede para andar, na curiosidade. No final, nem andamos direito”, relatou. Empolgado, o praticante disse que vai a São Paulo no próximo mês. Detalhe: para ser juiz da modalidade trickline na II Copa Bragança Paulista de Slackline. “Estou estudando para isso. Tenho como referência o material da WSFed [sigla da Federação Mundial de Slackline].”

Para o atleta, os principais nomes do Brasil na categoria trickline são os cariocas Igor Zambeli, integrante do Cirque du Soleil, e Carlos Neto, que já percorreu o mundo com a cantora Madonna fazendo coreografias em cima da fita. Ambos são campeões mundiais e companheiros de equipe de Giovanna Petrucci.

Origem

O slackline começou na década de 80 nos Estados Unidos e ganhou força justamente no Rio de Janeiro. Além de trickline e longline, existem outras modalidades. Entre elas o highline, em que se caminha sobre fita em alturas acima de dez metros, e waterline, sobre a água, com a fita armada sobre piscinas, lagos e cachoeiras.

O complexo de equipamentos para a prática do slackline tem dois protetores para evitar machucar as árvores, uma catraca para tensionar a fita e um backup. Este é amarrado na catraca para evitar que se arrebente e atinja o praticante. Os acessórios são custeados por conta própria, sendo que no mercado existem produtos nacionais e importados.

Camarguim praticou todas as categorias e treina três vezes na semana o trickline, somando nove horas, sem contar sábados e domingos. Rap, hip hop, reggae e bossa nova estão entre os estilos musicais que o estimulam. E o apelido vem do ambiente musical: foi dado devido a semelhança com o ator Dáblio Moreira da Silva Amador, que interpretou o cantor sertanejo Zezé di Camargo quando criança no filme 2 Filhos de Francisco.

E o processo se dá ao lado de integrantes dos grupos Slackmafia e Slackline Gyn. Os grupos fazem encontros aos finais de semana para treinamento e reunião dos praticantes, como na Praça Tamandaré e no Parque Vaca Brava. Camarguim aceitou o convite do Jornal Opção Online para mostrar sob sol a pino parte das manobras feitas ao estilo livre, no Parque Flamboyant. Abaixo, algumas fotografias.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Lara

Atleta espetacular, desenvolvimento continuo! Hoje ainda mais espetacular que sempre… Esporte exemplo!