Vereadores pedem suspensão da tramitação da reforma da Previdência

Nova polêmica se dá por conta de áreas públicas apresentadas na matéria para venda que já não pertenceriam à prefeitura

Foto: Mayara Carvalho

Em sessão polêmica e em meio a protestos de servidores que lotam as galerias da Câmara de Goiânia, vereadores de oposição apresentaram requerimento à presidência da Câmara de Goiânia na manhã desta terça-feira (25/9) para suspender a tramitação da reforma da Previdência, que passa por apreciação em segundo e último turno.

Assinam o documento os vereadores Cairo Salim (PROS), Dra Cristina (PSDB), Delegado Eduardo Prado (PV), Jorge Kajuru (PRP) e Lucas Kitão (PSL).

A nova polêmica se dá por conta de áreas públicas apresentadas para venda, na matéria, que já não pertencem à prefeitura, embora estejam sendo oferecidas. Elas seriam áreas desafetadas e permutadas, de um espólio referente à expansão da Marginal Botafogo.

Aliados do prefeito e o próprio presidente do Legislativo municipal Andrey Azeredo (MDB) alegaram, por sua vez, que não há problemas na alienação das áreas citadas.

Os vereadores opositores usam como argumento trecho do regimento interno da Casa que afirma que “todo projeto de lei que trata da desafetação de área pública deverá ser submetido à Comissão de Habitação, Urbanismo e Ordenamento urbano, que deverá fazer uma inspeção no local e emitir parecer técnico”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.