Após sessão polêmica, com críticas e ataques a homossexuais por vereadores, Tatiana Lemos quer instauração de Conselho Municipal para comunidade LGBT

Vereadora apresentou proposta na sessão desta quarta-feira Foto: Reprodução/Câmara
Vereadora apresentou proposta na sessão desta quarta-feira Foto: Reprodução/Câmara

A vereadora Tatiana Lemos (PCdoB) apresentou nesta quarta-feira (10/6) um projeto que promete ser alvo de dicussões acaloradas no plenário da Câmara Municipal. Um dia após sessão polêmica, com críticas e ataques de legisladores a homossexuais, Tatiana propôs a criação do Conselho Municipal dos Direitos Humanos de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT).

Pela proposta, o Paço Municipal passa a ter o aval para a criação de um Fundo de Enfrentamento à Homofobia e Promoção da Cidadania LGBT, ou Fundo Goiânia Sem Homofobia, que receberá multas arrecadadas e aplicadas em ações de enfrentamento das questões homofóbicas.

A ação, conforme a proposta, ficaria a cargo da Secretaria de Cidadania, Desenvolvimento e Assistência Social da Prefeitura de Goiânia. De acordo com Tatiana, a criação do Conselho tem como intuito deliberar e contribuir na normatização, fiscalização e acompanhamento das políticas públicas dos direitos da comunidade LGBT.

Conforme o artigo 6º do projeto, o Conselho será composto por dez membros, dos quais cinco indicados pelo poder público e os outros cinco pela sociedade civil. O projeto estabelece ainda eleições anuais para presidente e vice-presidente do Conselho, reuniões do colegiado para elaborar estudos, informações e documentos técnicos, tendo em vista o enfrentamento à homofobia.

“A sociedade assiste as mais variadas formas de violências relacionadas à orientação sexual e de identidade de gênero das pessoas. São violências que estão presentes no convívio social, fazendo notar no universo familiar, escolas, ambientes de trabalho, forças armadas, política, justiça e em diversas esferas do poder público”, defendeu Tatiana Lemos, em discurso no plenário da Câmara.

Sessão polêmica

[relacionadas artigos=”37593″]

Na última terça-feira (9), vereadores causaram polêmica ao usar a tribuna para criticar a Parada Gay de São Paulo. Ao citar a representação da transsexual Viviane Beleboni, “crucificada” em protesto contra a homofobia, o vereador Fábio Lima, do PRTB, classificou o evento como de “baixo nível” e fez duras críticas à encenação.

Rogério Cruz (PRB), líder religioso da Igreja Universal do Reino de Deus, também entrou no mérito e chegou a citar versículos bíblicos no plenário. “Na bíblia diz em Levítico 18, 22: ‘Com o homem não te deitarás como se fosse mulher, abominação é’”, pregou o vereador, acrescentando que a “verdade de Deus” teria sido alterada.

Os vereadores Paulo Magalhães (SD) e Célia Valadão (PMDB) também criticaram a manifestação de Viviany Beleboni durante a Parada Gay de São Paulo no último domingo (7).