Vereador diz que parlamentares tentam boicotar votação do ponto biométrico

Para Paulo Magalhães, autor da proposta, emenda que estende obrigatoriedade a servidores da Casa é tentativa de obstrução da matéria

Vereador Paulo Magalhães (PSD) | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Autor do projeto de Lei que institui o ponto biométrico para vereadores da Câmara Municipal de Goiânia, Paulo Magalhães (PSD) disse ao Jornal Opção que pode estar ocorrendo uma tentativa de obstrução da votação da matéria na Casa por parte de alguns colegas de parlamento.

Em sua visão, a emenda do vereador Alfredo Bambu (Patriota) que estendia a obrigatoriedade do ponto biométrico a servidores da Câmara era uma tentativa de derrubar o projeto. Além disso, segundo ele, o vereador Clécio Alves (MDB), relator da matéria e vice-presidente da Casa, é um dos mais atuantes para que a matéria não seja sequer votada.

Paulo Magalhães afirma que confusões em relatórios feitos pelo vereador dão sinais disso. “Na Comissão Mista ele fez um relatório em cima do projeto, que já havia sido relatado, no lugar de fazer o relatório em cima da emenda do vereador Alfredo Bambu. Depois apresentou um relatório de quatro linhas favorável à emenda”, disse.

Servidores

Para ele, a inclusão de servidores na obrigatoriedade do ponto biométrico não faz sentido, porque esses trabalhadores já têm uma forma de regulamentar sua entrada e saída de expediente. “Meu interesse é com os vereadores, para garantir a assiduidade desses parlamentares, não com os servidores”, ressaltou.

Ainda de acordo com o autor da proposta, o projeto foi apresentado pela primeira vez em 2012, quando Clécio Alves era presidente da Câmara e, desde então, ele estaria contra a matéria. “Na época eu tinha 19 votos em uma sexta-feira, na segunda eu já tinha 14, porque ele negociou cinco votos”, denunciou.

“Eu não entendo essa resistência, até porque o Clécio é um vereador assíduo. Entretanto, apesar de ter ajudado a aprovar a redução das férias, ele é contra o ponto biométrico e eu não sei o motivo. Mas estou cumprindo meu papel. Saio dessa Casa em 2020 sabendo que fiz de tudo”, completou.

Ainda de acordo com o vereador, o presidente da Câmara, Romário Policarpo (Pros), teria feito compromisso de colocar o projeto para votar. “E acredito que ele vai cumprir com a sua palavra, assim como acredito na maioria dos vereadores que fizeram compromisso comigo. Porém o Clécio Alves e o Alfredo Bambu estão tentando boicotar”, afirmou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.