Vereador contesta presidente e diz que impeachment de Iris deve passar por plenário

Na avaliação de Elias Vaz, o presidente “exorbitou de sua competência”

Vereador Elias Vaz (PSB) | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

O vereador Elias Vaz (PSB) afirmou ao Jornal Opção nesta quinta-feira (7/6) que irá recorrer à Justiça, caso seja necessário, contra a decisão do presidente da Câmara de Goiânia de arquivar pedido de impeachment do prefeito Iris Rezende (MDB).

Na avaliação do pessebista, o presidente “exorbitou de sua competência”. Ele não concorda que o chefe do Legislativo funcione como filtro para um pedido de impedimento. Esse papel, aponta Elias, é função do plenário.

Foi assim que ocorreu com o pedido de impeachment do ex-prefeito Paulo Garcia em 2014. “O ex-presidente Clécio Alves, mesmo sendo da base, repassou a demanda para o plenário, e é assim que deve ser feito”, argumentou.

Elias pontua que este também é o entendimento da legislação federal e que nada que defina o regimento interno da Casa de leis pode ir contra ao texto. “Imagina a situação absurda: 30 vereadores assinam um pedido e o presidente diz que não.”

O parlamentar afirmou que pode abrir mão de entrar na Justiça, caso Andrey reconsidere a medida e deixe para os vereadores a missão de admitir ou não o pedido.

Arquivamento

O presidente da Câmara de Goiânia, o emedebista Andrey Azeredo, informou nesta terça-feira (5/6) que já arquivou pedido de impeachment contra o prefeito da capital, Iris Rezende, também do MDB. Aliado do líder político, o parlamentar afirmou que tomou a decisão com aval de um parecer jurídico da Procuradoria da Casa de leis.

Autor do pedido, o vereador Jorge Kajuru (PRP) informou, durante a mesma sessão, que entrará com novo pedido, acrescentando quatro novos fatos à denúncia, entre eles a suspeita de fraude em contratos do Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas).

Deixe um comentário