Uma história da enchente em Goiânia: uns lamentam e criticam, outros transformam emoção em ação

A história de Flávia poderia ser de Ana ou de Francisco. De José ou Rafaela. De muita gente. Porque ainda há gente (e muita gente) que faria, fez e faz o mesmo que ela

Veterinária Flávia Cristina do Carmo: depois de ver uma reportagem na TV, a iniciativa solidária

Veterinária Flávia Cristina do Carmo: depois de ver uma reportagem na TV, a iniciativa solidária

Este domingo da veterinária Flávia Cristina Borges do Carmo foi diferente. Em vez de churrasco, clube, tarde de TV ou simplesmente ficar com a família, ela precisava concluir um compromisso que havia firmado consigo mesma: visitar a região atingida pela enchente do Córrego Cascavel e do Ribeirão Anicuns e fazer doações a famílias que perderam praticamente tudo que tinham.

Mais do que sua parte, ela levou consigo a colaboração de dezenas de pessoas. Flávia puxou uma campanha com a ajuda das redes sociais para as vítimas da inundação. “Na noite daquela chuva [terça-feira, 19], enquanto estava em casa, fiquei imaginando quem estaria na rua sem casa o tanto que seria desesperador”, conta.

As manchetes do dia seguinte aguçaram ainda mais a sensibilidade da veterinária. “Quando saiu nos jornais a situação em que tinham ficado algumas regiões, fiquei extremamente chateada. Foi muito triste ver o desespero daqueles que, de um dia para o outro, chegaram até ficar sem casa e então pediam ajuda.” De pronto, ela teve a ideia da campanha, que foi muito bem recebida por amigos e outras pessoas.

Foi a primeira iniciativa por parte de Flávia, mas a prática da solidariedade ela já havia aprendido em casa, com a família. “Quando era mais nova meus pais tinham o costume de fazer visitas a creches e asilos e me levavam”, diz.

Flávia e suas doações para as vítimas da enchente do Ribeirão Anicuns

Flávia e suas doações para as vítimas da enchente do Ribeirão Anicuns

Ao chegar à Vila São José para a entrega dos donativos — roupas, calçados e mantimentos, entre outros itens —, ela teve a ideia da real situação. E do quanto aquilo tinha valido a pena. “Antes eu só tinha visto a destruição por meio das reportagens. O cenário que encontrei lá era de pessoas que dependiam dessa ajuda e de outras, e que se mostraram extremamente agradecidas com o que recebiam. Tudo para eles é muito bem vindo”, concluiu.

É justo fazer a crítica ao poder público, que quase sempre (como agora) se mostra perdido em sua burocracia em condições de emergência como esta. Mas é importante ressaltar o papel de outro poder: o da população, que, com pessoas como Flávia e muitas outras, souberam avaliar a situação e agir com empatia e solidariedade.

A história de Flávia poderia ser a de Ana ou Francisco, de José ou Rafaela. De muita gente. Porque há muita gente que fez e faria o mesmo que ela. É bom ter essa gente por aí, para espalhar esse sentimento. De nada vale a emoção se isso não produzir nada. No caso de Flávia, produziu muitos frutos: roupas, calçados, alimento e esperança.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Edilamar Ribeiro

A atitude da Flávia, realmente foi muito especial. É filha única, sempre teve as melhores coisas que uma jovem da sua idade poderia ter, e poderia ser extremamente egoísta, como muitos o são. Ela fez a diferença. É uma menina criada com princípios, pois os pais são maravilhosos. Ela poderia nem ter visto a reportagem, pois os jovens da sua idade estão mais preocupados consigo mesmo e suas necessidades. Mais essa garota tem um coração de ouro! Amamos você linda pelo que é. Essa é só uma mostra do muito que você faz por seus semelhantes. E, a você Marco… Leia mais