Acusado de envolvimento na chacina no Morro do Mendanha deve responder por homicídio triplamente qualificado

Paulo Henrique do Carmo Silva, conhecido como Dioclin, agiu em parceria com dois menores, S.A.F e D.A.A, que namoravam duas das vítima

Foto: Via WhatsApp/Mais Goiás

Foto: Via WhatsApp

O promotor de Justiça Maurício Gonlçaves de Camargo entregou nesta quinta-feira (18/9) ao Ministério Público os últimos dados da participação de Paulo Henrique do Carmo Silva, conhecido como Dioclin, em chacina do Morro do Mendanha. O crime aconteceu no dia 8 de março deste ano, data em que foi comemorado o dia da mulher.

No documento, o promotor solicita que o acusado seja mantido em cárcere privado até a data do julgamento e que seja condenado por homicídio triplamente qualificado. Paulo teria contado com a ajuda de dois menores, S.A.F e D.A.A, o que agrava sua situação perante a justiça. “A prova é caudalosa no sentido de que o acusado e os menores planejaram matar as vítimas em razão de suspeitas de que estavam sendo delatados para a polícia”, afirmou o promotor.

O caso

As quatro mulheres assassinadas, Ana Kelly Martins, de 20 anos; Mylleide Morgana Lagario, de 19; Sinara Monteiro, de 16 e Rayane Kelly, de 15, eram usuárias de drogas. Segundo consta na ação, elas estavam sempre juntas e as duas mais novas namoravam os dois menores envolvidos no crime.

Segundo foi relatado pelos autores da chacina, em uma das visitas de Sinara e Rayana à casa de Paulo, onde também moravam os menores, a vítima passou o celular para um dos acusados para que ele ouvisse uma música. Ao manusear o aparelho ele percebeu uma mensagem que aparentemente teria sido enviado para um policial. No texto a jovem dizia: “estou em local impróprio com pessoas impróprias e não posso te atender”.

Os criminosos entraram em contato com a pessoa e reconheceram a voz de um policial que trabalhava na região. No dia seguinte, os três foram buscar as jovens em uma boate do Conjunto Vera Cruz 1 e as convidaram para continuar a festa em outro lugar. Elas foram conduzidas até o local do crime onde foram executadas com tiros na cabeça.

Deixe um comentário