Decisão atende à recomendação formal do MPF. Órgão entende que reavaliação colocaria 164 estudantes submetidos à reavaliação em insegurança jurídica

Acatando a recomendação do Ministério Público Federal (MPF), a Universidade Federal de Goiás (UFG) suspendeu a reavaliação de estudantes que ingressaram pelo sistema de cotas para negros e pardos antes de novembro de 2017.

O órgão enviou as recomendações em julho deste ano em observância a cerca de 164 denúncias que estavam sendo analisadas pela Universidade sobre supostas fraudes no sistema de cotas.

O MPF entendeu, entretanto, que como até novembro de 2017 não havia estabelecimento de Comissões de Heteroidentificação, o critério de autodeclaração de identidade racial deve prevalecer para esses estudantes, já que a maior parte estaria em estágio avançado de seus respectivos cursos.

Demais itens, que incluíam suspensão de atos como cancelamentos de matrículas eventualmente já praticados também foram acatados. Na resposta formal ao MPF, a universidade se colocou à disposição para demais informações que o órgão julgue necessárias.