UFG demite professor de Agronomia por denúncias de assédio sexual

Decisão consta em Diário Oficial da União e foi comemorada por estudantes da universidade

Após sindicância interna que durou cerca de seis anos, a Universidade Federal de Goiás (UFG) optou pela demissão do professor do curso de Agronomia, Américo José dos Santos Reis, denunciado por assédio sexual.

A decisão consta em portaria do dia 30 de maio, assinada pela vice-reitora da UFG, Sandramara Matias Chaves, e posteriormente publicada no Diário Oficial da União (DOU) no último dia 14.

Conforme documento, Américo foi condenado por infringir incisos da Lei 8.112/90, que trata do regime jurídico dos servidores públicos da União. Dentre os pontos em destaque, o professor foi condenado por não manter conduta compatível com a moralidade administrativa, usar o cargo para tirar proveito pessoal ou de outra pessoa e ainda apresentar conduta escandalosa.

Segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior de Goiás (Sintifes-GO), ainda no ano de 2012, quatro estudantes de pós-graduação da universidade, após sucessivos assédios pelo professor, se juntaram e denunciaram o caso à universidade.

“Foi realizado um processo administrativo que comprovou (por meio de provas) os assédios. Assim, por indicação da comissão do processo administrativo, a reitoria decidiu pela demissão do acusado”, informa o sindicato.

O professor já foi afastado de suas funções na Faculdade de Agronomia, mas ainda pode recorrer. Nas redes sociais, a demissão foi comemorada por alunos da instituição, que alegam que a conduta imoral do docente era constante.

A reportagem tenta, sem sucesso, desde a última quarta-feira (20), contato com a assessoria de comunicação da UFG para comentar o caso. O Jornal Opção também não conseguiu entrar em contato com o professor afastado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.