Geralmente todo mundo que é roubado no futebol sabe qual é o culpado da história: o juiz.

Só a torcida do Goiás é diferente. O time foi “operado” pelo árbitro Bruno Arleu de Araújo (RJ), que não viu falta em um dos lances decisivos mais evidentes do Campeonato Brasileiro.

O goleiro Renan falhou? Sim. Teria sido gol se não houvesse falta nele, cometida pelo atacante André Lima? Não.

E aí o esmeraldino prefere falar da falha do seu goleiro do que do erro grotesco da arbitragem. Fosse um atleticano, um gremista ou um vascaíno, a culpa da derrota (justa, no caso) seria do juiz. Por aqui, preferem dizer “ah, mas se o Renan não tivesse soltado a bola…”

Vai entender, vai.