Tiago Henrique, serial killer de Goiás, é condenado a 20 anos pela morte de morador de rua

Crime já havia sido julgado em 2016, porém, a Justiça acatou um pedido de anulação proposto pela defensoria. O réu já soma 656 anos em regime fechado

Foto: Aline Caetano/TJGO

Tiago Henrique Gomes da Rocha, de 30 anos, o serial killer de Goiás, enfrentou nesta quinta-feira (21/6) um segundo julgamento pela morte de um morador de rua, crime que aconteceu no dia 5 de novembro de 2012. De acordo com o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) uma pena já havia sido dada em 2016, porém, houve o acato sobre um pedido de anulação proposto pela defensoria, já que a advogada que atendia o réu no processo à época renunciou ao caso.

Nesta segunda sentença, Tiago foi condenado a 20 anos de prisão, em júri popular. A sessão ocorreu no Fórum Cível de Goiânia e foi presidida pelo juiz Eduardo Pio Mascarenhas que ressaltou que o réu escolheu sua vítima aleatoriamente, atingindo-a na cabeça e que, de acordo com um exame de insanidade mental, ele possui frieza emocional e tendência à manipulação.

Outro julgamento do vigilante está marcado para 9 de julho, no Fórum Criminal de Goiânia. Nesta sessão, o serial killer responderá pelo homicídio duplamente qualificado de Wanessa Oliveira Felipe, morta em 2014.

História

Tiago Henrique era um vigilante noturno que ficou conhecido como serial killer por cometer uma série de crimes contra moradores de ruas, homossexuais e, principalmente, mulheres em Goiânia entre os anos de 2011 e 2014.

Das mulheres, duas são supostas garotas de programa e, entre os homens, alguns são moradores de rua e homossexuais. Porém, a partir do final de 2013 Tiago passou a matar apenas mulheres, a maioria jovens, escolhidas aleatoriamente enquanto pilotava sua moto. Ele também chegou a praticar alguns assaltos, entre eles a uma lotérica.

O ex-vigilante já foi considerado culpado por 28 homicídios, além de outros crimes, e sua sentença soma 656 anos em regime fechado. Em três de todos julgamentos foi considerado inocente.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.