Para deputado federal Daniel Vilela, governo não tem votos suficientes para aprovar matéria no plenário

Deputado Daniel Vilela | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Presidente do PMDB em Goiás, o deputado federal Daniel Vilela afirmou, em entrevista ao Jornal Opção, que a Reforma da Previdência não deve ser aprovada no plenário da Câmara.

Segundo ele, o projeto só passou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) porque mais da metade do colegiado foi alterada. “Tenho convicção de que o governo não tem número nem perto do necessário para aprovar o projeto”, disse.

Apesar de correligionário e compor a base de sustentação de Michel Temer, o goiano faz parte do grupo de parlamentares que se posiciona contrário à reforma da maneira como foi proposta.

Entre os termos, está a mudança na idade mínima para aposentadoria, que será de 65 anos para homens e 62 para mulheres com o mínimo de 25 anos de contribuição, sendo que para obter o benefício integral, são necessários 40 anos.

“Por mais que mudanças no sentido de tornar a proposta mais equilibrada tenham sido feitas, não dá para justificar para ninguém. O povo colocou na cabeça que estão acabando com a aposentadoria, que será preciso trabalhar ‘até morrer’ para se aposentar”, explicou.

Para Daniel Vilela, o Planalto também errou na maneira de apresentar a proposta à população e inviabilizou qualquer tipo de negociação sobre o texto. “O governo perdeu a guerra da comunicação, não há como discutir, é preciso retirar o projeto de pauta”, sentenciou.

Defendida por outros aliados, a tese do presidente do PMDB de Goiás é de que Temer deve desistir do projeto que tramita na Câmara e desenhar uma novo proposta a ser apresentada. “O governo tem que recuar e somente no segundo semestre enviar uma proposta mais equilibrada. E com uma campanha publicitária mais informativa”, completou.

Nas redes sociais, Daniel Vilela lançou uma enquete para saber o que pensam seus eleitores e internautas sobre a Reforma da Previdência. Segundo ele, o placar está 99% contra e 1% a favor.

Fechar questão?

Questionado sobre a possibilidade do PMDB fechar questão a favor do projeto da Reforma da Previdência, Daniel Vilela disse que as chances são muito pequenas. “Nosso partido tem como característica o respeito a divergências, aos posicionamentos contraditórios. Fechar questão seria algo muito radical”, opinou.

Para o goiano, o governo tem tentado convencer os parlamentares de forma individual, “com as armas que tem”.