Suspeito maior de idade pode estar por trás de grupo que incentiva suicídio em Goiás

Polícia investiga a morte de cinco adolescentes em Goiás que participavam de grupos em redes sociais. Suspeitos estão espalhados por cinco estados brasileiros

Delegacia Estadual de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DERCC) | Foto: Nathan Sampaio/Jornal Opção

Em entrevista exclusiva ao Jornal Opção, a delegada Sabrina Leles comentou sobre a continuidade das investigações no caso envolvendo adolescentes que tiraram a própria vida após supostamente terem sido induzidos via grupos de redes sociais. De acordo com a delegada, a investigação pode ter identificado um ou mais suspeitos maiores de idade que estejam envolvidos no encorajamento dos suicídios. Antes, haviam sido descobertos apenas menores.

O caso atribuído à Delegacia Estadual de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DERCC) trabalha para encontrar um vínculo entre todos os cinco casos de suicídios em Goiás e os administradores dos grupos onlines, entre eles o The H4ters, que possui mais de 18 mil membros.

Na investigação, em um dos casos de suicídio, o do estudante Higor Pires Moreira de 15 anos, já foi comprovado que ocorreu pelo envolvimento com os grupos na internet. “Um amigo de infância do jovem que ceifou a própria vida revelou tê-lo apresentado a um dos administradores do grupo. Depois de semanas o comportamento dele havia mudado, estava praticando automutilação, formatou o computador e tomou remédios antes de se matar. Todas essas praticas incentivadas pelo incentivo online”, contou a delegada.

Sobre os administradores do grupos, Sabrina adianta que “a investigação apurou alvos que são de Mato Grosso, Amazonas, Rondônia e São Paulo. E, agora, dados fornecidos pelo Facebook via judicial […] levam a um quinto Estado envolvido”. O suspeito maior de idade poderia ser justamente do ente federativo ainda não revelado.

A delegada da DERCC contou, ainda, que a investigação levará tempo, “pois cada equipamento eletrônico suspeito dos cincos estados onde existem alvos deverá passar por uma perícia, já que é o Estado de Goiás que desenvolve a operação”. Com o restante da investigação sob sigilo, Sabrina reforça o alerta para que os pais se conscientizem e fiquem atentos ao conteúdo que os filhos consomem na internet, sobretudo ao risco de grupos virtuais que incentivam práticas depreciativas.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.