Suposto serial killer é agressivo e permanece em silêncio durante audiências

Tiago Henrique participa de uma série de sessões nesta quinta-feira. Pela manhã, o vigilante chegou a chutar a porta ao entrar na sala da 1ª Vara Criminal de Goiânia

O vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, de 27 anos, apontado como o serial killer que agia nas ruas de Goiânia, permaneceu calado e demonstrou agressividade durante as três audiências realizadas na manhã desta quinta-feira (26/3) na 1ª Vara Criminal de Goiânia.

Conforme informações da assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), o suspeito chegou a chutar a porta da sala onde ocorrem as audiências ao entrar. Logo em seguida, solicitou ao juiz Eduardo Pio Mascarenhas da Silva que a imprensa se retirasse do local. O magistrado, por sua vez, negou o pedido, justificando que a audiência era de caráter público.

“Se tirasse a mídia, eu falaria, mas com eles aqui, não vou falar nem assinar nada”, informou Tiago Henrique logo no início da primeira audiência, relativa ao caso de Taynara Rodrigues Cruz, de 13 anos, morta em junho de 2013, no Bairro Goiá. Com o pedido negado pelo juiz, o vigilante permaneceu em silêncio até a última audiência ocorrida pela manhã.

O TJGO realiza nesta quinta-feira uma série de audiências referentes a oito casos de homicídio em que o vigilante é apontado como o principal suspeito. Além do crime relativo à morte de Taynara Rodrigues, o juiz Eduardo Mascarenhas também ouviu, no período matutino, testemunhas dos casos de Thamara da Conceição Silva e Ana Karla Lemes da Silva.

À tarde, as audiências são relativas aos casos das jovens Isadora Aparecida Cândida, Lilian Sissi Mesquista e Silva, Arlete dos Anjos Carvalho e Juliana Neubia Dias. A última sessão, marcada às 17h15, tratará sobre a morte de Pedro Henrique de Paula Souza, de 19 anos, assassinado em junho do último ano, no setor Sol Nascente.

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Moacir Romeiro

Fosse um país de pessoas sérias o Brasil, esse homem seria condenado à morte ou, no mínimo, à prisão perpétua.