Site ajuda homossexuais expulsos de casa a encontrar abrigo

“Mona Migs” reúne pessoas dispostas a oferecer estadia temporária a LGBTs em situação de rua 

mona-migs-OK

Logo do Mona Migs

Um grupo de oito estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) criou uma ferramente que promete ajudar jovens homossexuais por todo o País. Intitulada de Mona Migs, a plataforma tem como objetivo oferecer abrigo temporário a homossexuais desabrigados. 

A ideia surgiu em uma competição promovida pela universidade no fim de abril, quando os jovens decidiram criar um projeto de proteção ao público LGBT. Disponível no Facebook e com site em fase de testes, o Mona Migs foi inspirado em um site americano de hospedagem solidária, chamado “Couchsurfing — no qual integrantes da comunidade oferecem e têm estadia gratuita.

Por enquanto, o projeto está pré-cadastrando pessoas interessadas em fornecer abrigo. Já são 15 candidatos. É preciso informar dados pessoais e o tempo disponível para acolhimento. Mas vários detalhes ainda precisam ser determinados, principalmente questões de segurança, para assegurar que nenhum dos dois lados possa se aproveitar da plataforma de má-fé. “A pessoa vai poder conversar com a outra antes e decidir se pode confiar”, explicou Bárbara Lapa, uma das integrantes do projeto à Agência Brasil.

Nesta primeira fase, o Mona Migs estará disponível apenas para Pernambuco, mas os estudantes pretendem expandir a ideia. Por enquanto, além de formatar o projeto jurídica e administrativamente, a busca é por financiamento. Segundo os idealizadores, algumas organizações não governamentais já estão interessadas em fazer parcerias.

Para verificar se havia, de fato, demanda para o serviço, os criadores do Mona Migs fizeram pesquisas pela internet e em pontos do Recife que reúnem público LGBT. Foram mais de 500 respostas online. Eles identificaram que 75% dos homossexuais tinham medo de ser expulsos de casa e 60% disseram conhecer alguém que já ficou sem abrigo. Por outro lado, 55% dos consultados afirmaram que acolheriam uma pessoa LGBT em situação urgente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.