Sessão que votaria planta de valores de Goiânia é suspensa para reunião com vereadores da base

Tanto aliados do prefeito Paulo Garcia quanto políticos da oposição demonstraram insatisfação com atual projeto. Eles querem maior discussão da pauta

A sessão plenária da manhã desta terça-feira (23/9) na Câmara Municipal de Goiânia foi suspensa para uma reunião entre os vereadores da base de apoio ao prefeito Paulo Garcia (PT).

O pedido foi aprovado pela presidência da Casa após pedido da líder do prefeito, Célia Valadão (PMDB). Está prevista para hoje a votação em primeiro turno do projeto que prevê a alteração das alíquotas do Imposto Predial Territorial e Urbano (IPTU) e Imposto Territorial e Urbano (ITU).

Inicialmente, a reunião na sala da presidência estava prevista para durar dez minutos — os trabalhos foram suspensos às 9h36. A conversa a portas fechadas já dura mais de meia hora.

Nos bastidores, alguns vereadores da base do prefeito demonstraram-se insatisfeitos com a atual situação do texto que altera os valores venais da capital.

Antes da reunião, o petista Tayrone di Martino (PT) disse, sem gravar com os jornalistas, que não concordava com a atual redação da proposta. “O projeto chegou na semana passada e vai afetar praticamente toda a cidade. Você o conhece? Você o conhece?”, questionou aos jornalistas.

A opinião é mesma de Elias Vaz (PSB), da oposição, que usou a tribuna para reclamar. “Temos dois grandes problemas: o da falta de informação [da prefeitura com os vereadores], presente no primeiro texto. O segundo é que a sociedade não sabe o que está sendo votado e nem qual o valor que será cobrado”, pontuou. Em requerimento, ele pediu que fosse realizada nova audiência pública sobre o tema. Pedro Azulinho (PSB) foi outro que se manifestou contrário à decisão.

Para a aprovação do projeto é necessário ter quórum absoluto no plenário, ou seja, são necessários 18 votos a favor. Antes do fim da reunião, estavam presentes 27 vereadores. Já integrantes do bloco moderado afirmaram que votariam de acordo com a decisão dos petistas.

No sábado (20), o prefeito se reuniu com representantes do Fórum Empresarial. Foi firmado um novo acordo, que desencadeou na alteração do projeto que readéqua os impostos e deve chegar à Casa na quarta-feira (24). A redação deverá ser publicada no Diário Oficial do Município até o fim do mês para que as alíquotas sejam aplicadas em 2015, obedecendo ao princípio da noventena. A possível demora na tramitação preocupa o Paço Municipal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.