Servidores municipais cogitam greve geral

Educação, Saúde e Guarda Municipal já cruzaram os braços. Novo projeto de reforma administrativa da prefeitura e data-base são as maiores polêmicas entre as categorias

A greve da Guarda Civil Municipal e da saúde da Prefeitura de Goiânia ganhou o reforço dos  servidores da educação nesta terça-feira (14/4). A entrada principal e o interior da Câmara Municipal de Vereadores foi tomada pelos trabalhadores. Segundo representantes dos três sindicatos das categorias, a presença deles na Casa é uma forma de pressionar os parlamentares e o prefeito Paulo Garcia (PT).

A maior polêmica recai sobre o novo projeto de reforma administrativa enviada pelo Poder Executivo, que tramita no Legislativo desde a semana passada. O corte de 5% no pagamento de quinquênios é um ponto em comum da pauta de reivindicações.

O pagamento retroativo e integral da data-base de 6,28% de 2014 a todos os servidores era outro ponto de questionamento. O projeto foi aprovado em segunda e última votação nesta terça-feira sem as emendas que previam esses benefícios.

Edson Domingues de Araújo Júnior faz parte do Sindicato Municipal dos Servidores da Educação em Goiás (Simsed) e solicita o retorno de benefícios retirados em decreto publicado em maio do ano passado. “Não estamos pedindo o aumento de salário, mas sim a manutenção do que conquistamos nas greves passadas, mas que não foi cumprido.” Até o momento, o integrante do comando de greve da educação contabiliza 200 escolas e Centros Municipais de Ensino Integral (Cmei) parados. Cerca de 120 mil alunos estão sem aulas.

Marcos Queiroz está lotado na Guarda Civil, em greve desde o dia 9 de abril.  Ele afirma que as condições de trabalho são precárias. “A Guarda está sucateada, as viaturas foram recolhidas e [as que estão rodando] não têm plotagem de identificação. Sem contar com o plano de cargos e salários, que não foi pago totalmente”, reclama.

Flaviana Alves | Foto: Marcello Dantas

Flaviana Alves, presidente do Sindsaúde | Foto: Marcello Dantas

Flaviana Alves, presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Único de Saúde em Goiás (Sindsaúde), avalia que o início da paralisação é positiva, já que está havendo união entre as categorias. “Ou o prefeito negocia ou a greve continua. Estamos dispostos a negociar, mas se ele endurecer, vamos endurecer também”, ameaça.

Integrante da base do Paulo Garcia, Clécio Alves (PMDB) diz que é preciso haver diálogo para o entendimento entre as partes. “Mas o Poder Executivo tem que aprovar demandas possíveis de serem pagas”, pontua. O peemedebista diz ainda que o desgaste da imagem do petista faz parte do processo, já que ele tem de respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Na manhã de segunda-feira (13), Paulo Garcia não foi à prestação de contas relativas ao terceiro quadrimestre de 2014 alegando falta de segurança por conta da presença de servidores nas galerias da Câmara.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.