Sem acordo com Setransp, motoristas de ônibus devem deflagrar greve no próximo dia 19

Após assembleia no dia 15 de junho, os profissionais, caso optem pela paralisação do serviço, deverão aguardar um prazo de 72h para que população e empresas sejam comunicadas

“Não vejo outro caminho a seguir a não ser a greve.” Foi o que declarou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Goiás (Sindittransporte), Alberto Magno, após nova audiência de conciliação com o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros (Setransp) e outros representantes das empresas de transporte coletivo.

Sem acordo firmado entre as partes, os motoristas vão se reunir em assembleia no próximo dia 15. A expectativa, conforme sinalizou Alberto Magno, é que a categoria decida pela paralisação do serviço. Conforme a lei de greve, os profissionais deverão aguardar um prazo de 72h para que a população e as empresas que gerem o transporte coletivo sejam comunicadas.

A categoria rejeitou o reajuste salarial de 7%, que havia sido inicialmente acordado entre os dois sindicatos. Os motoristas defendem um aumento de 15%, bem como um acréscimo no valor do vale-alimentação superior ao já sugestionado pelo Sentransp, de 16%, além da volta do serviço de manobra, que é o transporte do funcionário ao final do expediente.

Do outro lado, o Setransp alega que as reivindicações são inviáveis financeiramente e podem causar desequilíbrio tarifário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.