Secretário promete 8 mil novas vagas na educação infantil de Goiânia até julho

Marcelo de Castro foi à Câmara Municipal prestar contas sobre a situação da pasta e pediu “paciência” para resolução de crises

Marcelo de Castro durante discurso na Câmara | Foto: Américo Faleiro Gondim

O secretário de Educação de Goiânia, Marcelo de Castro, garantiu nesta quarta-feira (12/4) que, até o meio do ano, devem ser abertas 8 mil novas vagas para a educação infantil em CMEIs da capital. Ao responder questionamentos dos vereadores — que cobram atitude da gestão Iris Rezende (PMDB) –, o professor relatou que recebeu a pasta com déficit de mais de 18,9 mil.

“Todo início de gestão é necessário que se faça diagnóstico bem feito, fizemos isso e há problemas que perduram há anos. Estamos produzindo planos de ação para dirimí-los, mas não há soluções mágicas”, explicou.

Segundo ele, para resolver parte do problema em curto prazo, a secretaria prepara um projeto intitulado “Bolsa Infância”, que deve ser encaminhado à Câmara nos próximos dias e prevê recursos para que famílias matriculem as crianças em instituições particulares. “Esse modelo já existe em outros lugares do Brasil, queremos criar uma para Goiânia, vamos discutir com os vereadores. A expectativa é que sejam 4 mil vagas disponibilizadas”, completou.

As outras 4 mil vagas prometidas seriam abertas em salas modulares (estruturas metálicas de paines isotérmicos), que podem ser instaladas em CMEIs e escolas já construídas: “Nosso plano tem soluções de curto, médio e longo prazo. Vamos construir prédios próprios, mas isso demanda tempo e recursos, inclusive federais.”

Questionado sobre as 43 creches conveniadas, que denunciavam falta de pagamento da gestão, o titular da SMS afirmou que apenas seis estão sem receber, mas por “problemas documentais”. No que diz respeito à greve dos servidores da Educação municipal, ele minimizou o impacto: “Os sindicatos entendem que algumas soluções vem a médio prazo. Hoje, apenas 7% das escolas estão paralisadas.”

Obras

Marcelo de Castro relatou aos vereadores que há 46 obras não concluídas na área da Educação de Goiânia. São 35 CMEIs que nem sequer foram iniciados e outros 11 em diferentes fases de construção, mas todas as obras paradas. “Conseguimos avanços com o FNDE [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação], o ministro [Mendonça Filho, do DEM] tem intenção de resolver os problemas, mas as obras tem problemas diferenciados, estamos tratando um a um”, arrematou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.