Secretário descarta interdição no Hugo e diz que unidade funciona normalmente

Leonardo Vilela disse que disputa eleitoral exacerbou  gravidade da real situação do hospital

Secretário da Saúde, Leonardo Vilela | Foto: Divulgação

O secretário estadual de Saúde, Leonardo Vilela, visitou na manhã desta quarta-feira (26/9), o Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) e descartou a possibilidade de interdição da unidade.

“O hospital é referência no estado e está na sua mais absoluta normalidade. O hospital está com 95% de ocupação, todos os 57 leitos de UTI estão ocupados. e os pacientes sendo bem atendidos. Das 7h ás 11h já foram realizadas 15 cirurgias, 13 eletivas e duas de urgência. A emergência está funcionando normalmente”, garantiu.

Na última segunda-feira (24) o Ministério do Trabalho recomendou a interdição da unidade e determinou critérios para admissão de pacientes diante da falta de repasses da Secretaria Estadual de Saúde á Organização Social (OS) que gere o Hugo.

Insumos

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (26) , o secretário Leonardo Vilela, disse que enventualmente, a unidade registrou falta de alguns insumos mas que as compras já foram efetuadas na última segunda-feira (24).

De acordo com Leonardo, vários insumos que faltavam já chegaram na unidade e que até a próxima sexta-feira (28/9) a situação deve estar completamente normalizada.

Lavanderia

A lavanderia do Hugo é um ponto de preocupação para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Goiás (STRE/GO), que afirmou que o serviço terceirizado só teria condições de funcionamento até a próxima sexta-feira (26) caso não recebesse novos repasses”.

O secretário Leonardo Vilela garantiu que não há nenhuma ameaça de paralisação da lavanderia. “Ela está funcionando normalmente. Processando de 4,5 á 5 toneladas de roupas todos os dias. Os repasses foram feitos e não há nenhuma iminência de paralisação “, garantiu.

Repasses

Desde a última segunda-feira (24) já foram repassados R$ 4 milhões ao Instito Gerir, mas a OS diz que ainda faltam muitos recursos. De acordo com Vilela, um novo repasse no valor de R$ 1 milhão foi feito ainda nesta quarta (26) e que novos pagamentos acontecerão no decorrer das próximas semanas.

Eleições

Para o secretário de Saúde, o clima eleitoral e a proximidade do pleito na disputa pelo governo exacerbaram a gravidade da real situação da unidade.

“Nós temos situações de unidades hospitalares públicas e privadas muito piores que a do Hugo e que não sofrem esse tipo de crítica e de fiscalização. Não digo que só o fator político causou tudo isso, mas com certeza exacerbou muito o que está acontecendo aqui. Problemas pontuais existem e nós estamos aqui para resolvê-los”, afirmou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.