Neyde Aparecida garante que não pode afirmar com certeza se houve ou não desvio da merenda com base em denúncias “ainda sem fundamento”

Secretária de Educação Neyde Aparecida: "Tenho certeza que de minha parte não há nenhuma ingerência na questão da merenda" | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção (2012)
Secretária de Educação Neyde Aparecida: “Tenho certeza que de minha parte não há nenhuma ingerência na questão da merenda” | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção (2012)

Com as denúncias de desvio de merenda escolar nas escolas de Goiânia em evidência na Câmara Municipal, a secretária municipal de Educação, Neyde Aparecida, disse na manhã desta quinta-feira (26/5), no Paço Municipal, que os documentos apresentados pelos vereadores na Câmara Municipal de Goiânia estão equivocados. Entrevista foi concedida durante evento de assinatura de parceria entre Prefeitura de Goiânia e empresa Net, que levará Internet banda larga e TV a cabo para escolas municipais.

[relacionadas artigos=”38891,38813,38833,38930″]

De acordo com a chefe da pasta, os documentos foram entregues por equívoco pelo departamento. “Esses dados não são verdadeiros. O funcionário estava de férias, veio, pegou as entradas e saídas, dividiu igualmente em todas as escolas e mandou pro vereador’, disse, garantindo que por isso dados foram lançados erroneamente.

A secretária se refere ao Departamento de Alimentação Educacional (Dale), responsável pelo lançamento de dados. O diretor Wesley Batista e outros funcionários da pasta já foram afastados. Conforme Neyde, quando o funcionário percebeu o erro, solicitou que fosse feita uma errata, que foi entregue à Câmara Municipal. “Mas os vereadores simplesmente não estão considerando o documento, nem que o departamento disse que foi um equívoco.”

Foram apresentados pelo vereador Elias Vaz (PSB) papeis que mostram supostos desvios e irregularidades na distribuição de produtos para a confecção da merenda escolar (bolos de baunilha, biscoito de polvilho e pães do tipo mandi e de milho), o que configura cerca de R$ 1,4 milhões desviados. Além disso, o vereador também denunciou que 190 toneladas de carne compradas pela prefeitura não chegou às escolas.

Em novembro de 2014, por exemplo, constatou-se uma discrepância de quase 50% na quantidade de carne adquirida pela secretaria e o que foi efetivamente entregue para consumo dos alunos.

“Se houve desvio, garanto que por minha parte não foi”

Antes de explicar que a discrepância de valores foi devido a erros no momento de redigir o documento, questionada sobre o assunto, a secretária respondeu que não poderia fazer julgamento apenas por haver denúncia. Conforme Neyde, “uma denúncia ainda sem fundamento” não a fará dizer com certeza se há ou não desvio com antecedência.

“Tenho certeza que de minha parte não há nenhuma ingerência na questão da merenda, porque isso é uma coisa de muita responsabilidade. Goiânia tem ganhado prêmios por boa gerência e por oferecer uma alimentação saudável a crianças. Vário prêmios”, afirmou a petista.

Chefe da comissão que investiga a secretaria que chefia, Neyde informa que grupo está trabalhando no fechamento de dados de um ano, para concluir como foram feitas as entradas, saídas e pagamento de alimentos.