“Rubens Otoni não precisa de ajuda para se eleger”, diz Tatiana Lemos

PT de 2014 elegeu apenas Rubens Otoni a um mandato na Câmara dos Deputados e com quase 50% de votos do petista, mostrando fragilidade no quadro petista goiano

Câmara de Goiânia

Matéria publicada pelo Jornal Opção no dia 2 de setembro trouxe os bastidores por trás da troca de candidaturas na família Lemos, entre a deputada estadual Isaura Lemos (PCdoB) e a vereadora de Goiânia Tatiana Lemos (PCdoB), para ajudar a reeleição do deputado federal Rubens Otoni pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Sobre a possível ajuda ao deputado, Tatiana Lemos disse que Otoni “não precisaria dessa ajuda” e que ele se elegeu nos momentos mais críticos do petismo. A vereadora confirma que a candidatura de Isaura Lemos a deputada federal e sua candidatura a deputada estadual atendeu dois anseios: um da militância do partido comunista e a expectativa real que Isaura tem de se eleger junto a Otoni.

A matéria do Opção trouxe o cenário real do PT naquele ano de 2014, em que Otoni conseguiu quase 50% de todos os votos válidos depositados no partido. Naquele cenário, a coligação sozinha fez um deputado federal, o Otoni, e precisaria ainda de 80 mil votos para eleger o segundo deputado federal. Entende-se em cima do quociente eleitoral, em 2014, de 179 mil votos como ponto de corte para cada deputado federal. O PT obteve 280 mil votos, o segundo parlamentar seria eleito se o partido atingisse 360 mil votos.

Neste pleito de 2018, se o petismo repetir 280 mil votos sozinho, como em 2014, o partido comunista de Isaura Lemos precisará fazer, pelo menos, 80 mil votos para eleger a deputada estadual à Câmara dos Deputados em Brasília.

Deixe um comentário