O deputado também afirmou que a empresa não atende às necessidades dos municípios do interior e afirma que a industrialização dessas regiões é difícil por conta da falta de energia

O candidato ao Senado Ronaldo Caiado (DEM) criticou na tarde desta terça-feira (5/8), durante reunião no Senado Federal, as negociações pela Centrais Elétricas do Estado de Goiás (Celg). Ele chamou de “caótica” a situação e afirmou que o atual governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), está traindo o povo goiano. “Meu Estado tinha a Celg, que era a maior agência e maior empresa do Centro-Oeste brasileiro. Depois de várias disputas políticas, nós chegamos agora a essa situação caótica”, declarou o candidato.

[relacionadas artigos=”11832″]

Caiado também afirmou que a empresa não atende às necessidades dos municípios do interior e afirma que a industrialização dessas regiões é difícil por conta da falta de energia. O candidato também aproveitou o momento para apresentar um requerimento ao ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. “Neste momento eu acabo de apresentar um requerimento convocando o ministro de Minas e Energia para que ele venha aqui explicar esse fato nebuloso”, disse, referindo-se à negociação entre Celg e Eletrobras.

Federalização da Celg

O deputado já havia criticado a negociação em artigo pela Folha de S. Paulo. No artigo ele informava que iria recorrer na Justiça contra a federalização da Celg, caso fosse efetivada, e que pediria um parecer do ministro de Minas e Energia. Ele também indagou o motivo da negociação estar ocorrendo em ano eleitoral. “Por que os dois representantes da União e do Estado não se entenderam ao longo de três anos e meio? Por que realizar esse negócio às vésperas das eleições?”, indaga Caiado.

Em resposta às críticas do candidato, o presidente em exercício da Celg, Elie Chidiac, declarou que o democrata desconhece o contrato de federalização e peca ao levar a questão para um viés político. “Não adianta a apresentação de planos mirabolantes para um setor estritamente técnico e regulado”, acrescentou Chidiac em entrevista ao Jornal Opção Online.

As declarações de Caiado estão relacionadas às negociações para a transferência de 51% das ações da Celg para a Eletrobras. De acordo com dados da Universidade Federal de Goiás (UFG), o valor pela estatal seria de R$ 6,5 bilhões, porém o governo federal ofereceu R$ 400 milhões, provocando um imbróglio para o desenvolvimento do acordo. A negociação se encaminha para a reta final, de acordo com Elie Chidiac.