Retorno de Iris Rezende movimenta PMDB e demais partidos oposicionistas

Sede peemedebista em Goiás recebeu vários veículos de imprensa e alguns líderes da legenda com expectativa de oficialização do ex-prefeito, o que deve ocorrer somente na quinta-feira

Passado o clima de expectativa na sede do diretório estadual do PMDB, no Setor Aeroporto, quanto à presença ou não de Iris Rezende na manhã desta quarta-feira (4/5) para ato simbólico de seu retorno como pré-candidato ao governo de Goiás, o que ficou foi a impressão de que a legenda começa a desenhar a união e a sintonia de posicionamentos que tanto faltaram desde maio de 2013, quando Júnior Friboi filiou-se ao partido e na sequência deu início às articulações em torno de seu nome para cabeça de chapa.

Alguns militantes e a presença maciça da imprensa na sede do PMDB levou o presidente do partido em Goiás, deputado Samuel Belchior, a passar pelo local no final da manhã para coletiva de pouco mais de dez minutos a fim de esclarecer pontos do retorno de Iris Rezende ao cenário pré-eleitoral. Uma reunião convocada pelo líder peemedebista ao saber do afunilamento por seu nome estava cogitada para ocorrer lá, porém, como estava em sua fazenda no Mato Grosso, as conversações devem ocorrer a partir desta tarde.

Foi adiado por incompatibilidade de agendas o possível anúncio que era esperado para o início da noite de quinta-feira (4) e deveria contar com as presenças do presidente do PMDB nacional, senador Valdir Raupp, e do vice-presidente da República, Michel Temer. Ambos, conforme Samuel Belchior, ligaram para Iris Rezende para conversar sobre o cenário que se formata em Goiás e demostraram interesse em se manterem próximos ao desenrolar dos fatos locais –– ao que tudo indica devido ao impasse quanto à continuidade ou não da aliança nacional com o PT, visto que o PMDB goiano, com seus 35 votos, aguarda posição do PT local para decidir qual será o posicionamento em bloco. O evento deve ocorrer no máximo até a próxima segunda-feira, já que a convenção do PMDB nacional será na terça-feira, dia 10.

“Existe realmente disposição muito grande [por parte de Iris Rezende] de disputar a eleição, mas ainda teremos uma reunião fatídica amanhã. O Michel Temer já ligou para o Iris e o Valdir Raupp também, porque querem estar presentes aqui amanhã”, sintetizou Samuel Belchior. Antes o presidente havia informado que até aquele momento ainda não tinha se reunido pessoalmente com Iris Rezende, pois não pôde acompanhar a comitiva peemedebista que viajou ao Mato Grosso. Essa reunião será definitiva, conforme pontuou o presidente.

Chapa

A sondagem nos bastidores é que Iris voltará ao tabuleiro político de Goiás com conversações avançadas quanto à composição da chapa. Embora haja relutância nas declarações de Vanderlan Cardoso, pré-candidato ao governo pelo PSB, após encontro entre o peemedebista e o presidenciável Eduardo Campos (PSB) no último sábado, ganhou força a especulação de que o pessebista poderia assumir a vice –– o que ele próprio coloca como contraditório, visto que deixou o PMDB justamente por não ter vislumbrado no partido a chance de ser o candidato ao governo.

*Leia Mais: Para Iris Rezende, Vanderlan Cardoso poderia ser o candidato a governador pelo PMDB em 2014

Samuel Blechior preferiu não responder abertamente sobre a questão, tendo creditado a especulações da imprensa o conhecimento que tem sobre a possibilidade. “Iris está chegando agora e é a partir da tarde que com certeza ele vai entrar nesse processo de cabeça, até porque encabeçando a chapa ele tem a responsabilidade maior de montar essa chapa”, disse.

Questionado, novamente, sobre espaço ao deputado federal e pré-candidato ao Senado Ronaldo Caiado, o peemedebista voltou a dizer se tratar de nome forte e agregador de votos.

E os friboizistas?

Segundo Samuel Belchior, Iris Rezende, oficializado candidato, deverá procurar a todos que possam agregar no processo eleitoral, inclusive os peemedebistas antes aliados a Júnior Friboi, tanto deputados como prefeitos, bem como aqueles que têm sinalizado proximidade com a base marconista. “Ele vai contatar a todos, precisa [disso]. O partido pode até ajudar, mas ele precisa estar conversando com todos os que estiveram nessa caminhada acompanhando o Júnior Friboi. Ele se retirou e tem que passar uma borracha nisso.”

A forma como o nome do neopeemedebista Júnior Friboi apareceu nas falas dos peemedebistas presentes [como prefeito de Aparecida de Goiânia Maguito Viela e o ex-deputado Mauro Miranda, além de Samuel Belchior] lembraram a situação de página virada e assunto superado dentro do PMDB, no sentido de o empresário ter tido seu espaço e seu momento como pré-candidato, até retirar seu nome e, aparentemente, ter se afastado do processo para as eleições deste ano.

Aliança com Dilma

Perguntado sobre a questão nacional que no próximo dia 10 levará os diretórios do PMDB de todos os Estados a votar sobre a manutenção da aliança com o PT a nível nacional, Samuel Belchior reiterou que falta uma nova conversa com os delegados e os petistas locais, mas que na primeira reunião, “a vontade da maioria era não manter a aliança nacional.”

O presidente ponderou, entretanto, que com os últimos acontecimentos, o retorno de Iris Rezende ao páreo, este cenário pode vir a mudar.

Palanque ao PSB

Considerando precipitado tocar no assunto, pois somente no dia 10 o PMDB goiano terá posição formada sobre apoio ao PT a nível nacional, Samuel Blechior classificou de possível apoio do partido ao PSB de Eduardo Campos. “Possibilidade isso tem, até porque o que eu percebo a nível nacional na convenção, o que anda se discutindo, é se vai manter aliança com o PT e a nível nacional e verticalizar a aliança ou vai ser mantida a aliança nacional e liberar os Estados”, explicou, emendando que existe ainda uma terceira possibilidade: a de não manter aliança e então apoiar outro candidato que não Dilma Rousseff.

Também estiveram presentes na movimentação na sede do PMDB o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, os ex-deputados José Nelto e Mauro Miranda, o vice-prefeito, Agenor Mariano e o deputado estadual Bruno Peixoto.

Movimentações políticas

No mesmo momento em que o PMDB aguardava posições sobre o retorno de Iris, representantes do bloco partidário formado por legendas antes propensas a apoiar Júnior Friboi (PPL, PTN, PROS, PCdoB e PRTB) estavam reunidos com o presidente do PT goiano, Ceser Donisete, na sede do PROS, para definirem sobre qual rumo tomar a partir do recuo do empresário e últimos fatos que resultaram na possível definição do emblemático PMDB.

Nada ficou acertado por hora, mas sabe-se que nesta tarde se reúnem novamente com Vanderlan Cardoso. Juntos essas siglas têm quase 1 minuto e meio de propaganda política.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.